Carta com substância letal é enviada à Casa Branca

Correspondência contendo ricina, substância extraída da mamona que pode matar, foi interceptada pelo Serviço Postal dos EUA, segundo o jornal New York Times

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2020 18h07 - Atualizado em 19/09/2020 18h13
Luciano GarciaCasa Branca assumiu nesta quinta-feira (17) que congelou U$400 milhões da Ucrânia para que houvesse investigação sobre democratas

Uma correspondência contendo uma substância letal conhecida como ricina foi interceptada pelo Serviço Postal dos Estados Unidos nesta semana. A carta era endereçada à Casa Branca, em Washington. Segundo o jornal norte-americano The New York Times, o FBI confirmou a presença da substância que pode ser extraída da mamona em uma correspondência que teria sido enviada de um endereço no Canadá. O material foi identificado e interceptado pelas autoridades antes de chegar ao centro de distribuição, localizado dentro da sede do governo norte-americano. Ainda segundo o Times, outras correspondências também teriam sido enviado à agências do governo no Texas. À CNN norte-americana, oficiais do FBI afirmam que a carta era endereçada ao presidente Donald Trump.

A ricina é um composto altamente tóxico extraído da mamona e, normalmente, é usado em pó. Se ingerida, a substância causa náuseas, vômitos e sangramento interno do estômago e intestinos, insuficiência hepática, baço e rins, e morte por colapso do sistema circulatório. “O FBI e nossos parceiros do Serviço Secreto dos Estados Unidos e do Serviço de Inspeção Postal dos Estados Unidos estão investigando uma carta suspeita recebida em uma instalação de correio do governo dos Estados Unidos. No momento, não há nenhuma ameaça conhecida à segurança pública”, disse o escritório do FBI em Washington em um comunicado para CNN. Como medida de segurança, todas as correspondências da Casa Branca e do governo norte-americano passam por triagem.