Conflito entre Israel e Faixa de Gaza completa uma semana; número de mortes chega a 200

Israelenses afirmam ter matado um dos comandantes da Jihad Islâmica, Hasam Abu Hardib; palestinos relatam quedas de energia dentro do enclave após os últimos bombardeios

  • Por Jovem Pan
  • 17/05/2021 11h24 - Atualizado em 17/05/2021 20h20
EFE/EPA/ATEF SAFADINa fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza, artilharia israelense faz ataques contra o enclave palestino

O conflito entre Israel e a Faixa de Gaza chegou ao sétimo dia nesta segunda-feira, 17, com um saldo de 200 palestinos mortos, incluindo 59 crianças e 34 mulheres. O número de feridos subiu para 1.305 após os aviões israelenses efetuaram mais uma centena de ataques contra o enclave nas últimas 24 horas. Além de terem destruído ruas e casas, os bombardeios também causaram quedas de energia na Faixa de Gaza. O Exército de Israel afirma que durante essas operações foi morto um dos principais comandantes da Jihad Islâmica, Hasam Abu Hardib. Além disso, os ataques teriam atingido nove casas que pertenciam a líderes do Hamas e, em alguns casos, também eram utilizadas para armazenar armas. Do lado de Israel, o total continua em 10 pessoas mortas, incluindo uma menor de idade, além de 294 feridos.

Ataque com carro em Jerusalém

O bairro de Sheikh Jarrah, que originou os novos conflitos entre Israel e a Faixa de Gaza, foi palco de uma tragédia na tarde deste domingo, 16. Um motorista usou um veículo para atropelar diversas pessoas e avançar contra um posto de controle antes de ser morto a tiros pela polícia. Quatro oficiais israelenses ficaram feridos no ataque. As ofensas entre palestinos e israelenses tiveram início após o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ameaçar despejar famílias palestinas de Sheikh Jarrah, em Jerusalém, a favor de colonos israelenses. Mais tarde, essas tensões culminaram em confrontos no Monte do Templo, também em Jerusalém. O local sagrado é reverenciado tanto por judeus quanto muçulmanos.