Coronavírus: Número de mortos na China chega a 361

  • Por Jovem Pan
  • 03/02/2020 08h18
EFEHá 2.829 novos casos nas últimas 24 horas na China

O número de mortes causadas pelo novo coronavírus na China aumentou para 361 nesta segunda-feira (3), 57 a mais que neste domingo, enquanto o número de pessoas infectadas no país subiu para 17.205, com 2.829 novos casos nas últimas 24 horas.

De acordo com o relatório diário da Comissão Nacional de Saúde, atualizado às 4h (local, 17h de domingo em Brasília), 147 pessoas foram curadas nas últimas horas e tiveram alta hospitalar, elevando o número de pessoas que foram contagiadas e depois ficaram livres da doença para 475.

Quase todas as mortes registradas nas últimas 24 horas, exceto uma em Chongqing, correspondem à província de Hubei. Também neste domingo, foi registrada a primeira morte pelo vírus misterioso fora da china, uma pessoa de Wuhan, o epicentro da epidemia, falecida nas Filipinas.

A cidade, capital de Hubei, é onde se presume que o vírus teve origem e onde mais de 152.700 pessoas estão sob observação médica, entre as quais há um total de 21.558 casos suspeitos, correspondentes a pessoas que apresentam sintomas, mas que ainda não foram confirmados como tendo contraído o coronavírus.

Com a das Filipinas, são 362 mortas por uma doença que se propagou até mais de 20 países, situação que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a emitir um alerta sanitário internacional na última quinta. Há um pânico internacional, embora 99% dos infectados estejam em território chinês – fora dele, o número é inferior a 200.

Dentro de Hubei, em Wuhan, houve 1.033 novos casos e 41 mortes nas últimas 24 horas, de acordo com a Comissão de Saúde local. A cidade de Huanggang é outra das mais afetadas, com 244 casos relatados hoje, embora apenas duas pessoas tenham morrido.

O Hospital Huoshenshan, em Wuhan, que se tornou o símbolo da luta da China contra a propagação do vírus e o seu alcance mais eficaz, foi inaugurado hoje. Construído em apenas dez dias, o centro médico tem capacidade para 1 mil leitos, que serão atendidos por um total de 1,4 mil trabalhadores das forças armadas chinesas especializados em doenças transmissíveis, em uma tentativa de aliviar os hospitais em colapso da cidade.

*Com Agência EFE