EUA estudam enviar armas e assessoria militar à Ucrânia por medo de invasão russa no país

Equipes de defesa do país norte-americano se dividem entre analisar envio de equipamento e temer aumento de tensões com país de Vladimir Putin

  • 23/11/2021 14h21
U.S. Army Europe/Creative CommonsEUA estudam possibilidade de enviar armas e outros equipamentos para ajudar soldados ucranianos na fronteira

Os temores de que a Rússia articule uma nova invasão à Ucrânia têm se tornado crescentes conforme as tropas de Putin se aglomeram na fronteira dos dois países. Por causa disso, os Estados Unidos avaliam a possibilidade de enviar assessores militares, armas e até mesmo sistemas de defesa portáteis para a nação comandada por Volodymyr Zelensky. As informações sobre as articulações, ainda de bastidores, foram divulgadas pelo jornal norte-americano CNN nesta terça-feira, 23. De acordo com a publicação, o Departamento de Defesa do país tem estudado enviar equipamentos que seriam voltados ao Afeganistão e estão sem destino após o domínio do Talibã, como helicópteros Mi-17, para o país europeu. Uma parte do governo, porém, estaria receosa de que o envio fosse lido por Vladimir Putin como uma “escalada” na tensão entre as duas nações.

“Conselheiros militares estão chegando ao país, armas estão sendo armazenadas lá, não somente vindas dos Estados Unidos, mas também de outros países da Otan. Tudo isso, claro, agrava a situação na fronteira”, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, ao ser questionado por jornalistas. Além das articulações na fronteira, oficiais dos EUA também estariam discutindo junto a aliados europeus a possibilidade de impor novas sanções à Rússia caso o país invada a Ucrânia. A conversa com os europeus foi confirmada pela secretária de imprensa de Biden, Jen Psaki. Em um comunicado divulgado nesta segunda, o serviço de inteligência russo afirmou que as acusações de tentativa de invasão do país vizinho são “absolutamente falsas”.