França confirma 3º caso de coronavírus no país

Vítima é um parente próximo de um contagiado que havia sido anunciado também hoje pelas autoridades

  • Por Jovem Pan
  • 24/01/2020 20h31
EFE/Will OliverO governo do país pediu que qualquer pessoa que tenha viajado à China e note algum dos sintomas da doença ligue para um serviço especializado nesse tipo de caso

O governo da França confirmou nesta sexta-feira (24) que há uma terceira pessoa no país infectada pelo coronavírus. A vítima é um parente próximo de um contagiado que havia sido anunciado também hoje pelas autoridades.

O Ministério da Saúde divulgou um comunicado informando que as três pessoas estiveram na China e atualmente estão internadas, uma delas em Bordeaux, e as outras em Paris. A pasta também disse que abriu de forma imediata uma “investigação epidemiológica” sobre os três casos, que seriam os primeiros detectados na Europa.

A ministra Agnès Buzyn explicou que o primeiro é um paciente de Bordeaux de origem chinesa, de 48 anos, que viajou recentemente a Wuhan por assuntos profissionais. Sobre o segundo, ela apenas informou que está internado em isolamento no hospital Bichat-Claude Bernard, em Paris.

O paciente de Bordeaux foi a um hospital ontem apresentando os sintomas provocados pelo coronavírus chinês. Imediatamente, os médicos o levaram a uma área isolada da unidade. Antes disso, porém, ele teve contato com mais de dez pessoas.

A ministra reconheceu que ainda não há informações sobre o histórico da pessoa infectada em Paris. Sobre ele, o governo da França sabe apenas os exames para o vírus deram positivo. “É provável que já haja outros casos na Europa. A epidemia é um incêndio que devemos controlar”, afirmou.

Todas as pessoas que tiveram contato com um dos infectados serão monitorados por funcionários do Ministério da Saúde para conter a propagação do vírus na França.

O governo do país pediu que qualquer pessoa que tenha viajado à China e note algum dos sintomas da doença ligue para um serviço especializado nesse tipo de caso. Os médicos irão até a casa do possível paciente para levá-lo a um hospital específico.

O ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, afirmou que medidas permanentes foram adotadas pelo gabinete de crises da pasta em coordenação com as representações diplomáticas do país na China.

* Com EFE