Japão: Sobe para 34 número de mortos pelas chuvas; 14 seguem desaparecidos

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2020 11h29 - Atualizado em 05/07/2020 11h36
EFE/EPA/JIJI PRESS JAPANA lista de óbitos confirmados mostra que a maioria das vítimas foram de idosos, incluindo uma mulher de 93 anos e um homem de 85

O Japão já registrou, ao menos, 34 mortos pelas chuvas intensas que atingem o país desde o sábado (4). Ao todo, 14 pessoas seguem desaparecidas, além de muitos locais permanecerem isolados e rios transbordando. A província de Kumamoto, na ilha de Kyushu, sofreu a maior parte das baixas e dos danos causados pelas tempestades, que atingiram 100 milímetros por hora.

No sábado, um asilo foi inundado depois que o rio Kuma transbordou. Ainda neste domingo (5), 50 pessoas tiveram que ser resgatadas, algumas em estado de muita debilidade, por equipes de emergência que chegaram ao espaço. Militares das Forças de Autodefesa foram envolvidos nas operações de resgate.

Como previsto pela Agência Meteorológica do Japão, as chuvas continuaram neste domingo, com mais 20 mortes em Kumamoto, além de 14 pessoas desaparecidas. A lista de óbitos mostra que a maioria das vítimas foram idosos, incluindo uma mulher de 93 anos e um homem de 85. Reportagens da imprensa local indicam que dois rios de Kumamoto transbordaram e inundaram 11 vilarejos. A água isolou cerca de 30 distritos do município, incluindo Yatsushiro e Hitoyoshi.

Precaução

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, pediu que a população tenha extrema cautela. Abe disse para as pessoas nas regiões mais atingidas evitarem espaços onde há risco de deslizamentos de terra e enchentes, e para redobrar esforços para ajudar as áreas mais prejudicadas.

“É urgente dar apoio especial às vítimas deste desastre natural”, declarou o premiê, que também anunciou sua intenção de mobilizar oficiais de reserva das Forças de Autodefesa caso as equipes de emergência precisem ser reforçadas. Até agora, Abe mobilizou cerca de 10 mil soldados para ajudar as vítimas.

Além de pedir para evitar áreas com risco de deslizamentos, autoridades solicitaram a retirada de 203 mil residentes de Kumamoto e da vizinha Kagoshima. Cerca de 100 centros de recepção foram criados para receber os deslocados. Relatórios da agência de notícias local “Kyodo” dizem que pelo menos 4.650 casas em Kumamoto ficaram sem energia neste domingo. Segundo a Agência Meteorológica, as chuvas continuarão atingindo o oeste do país até a próxima terça-feira (7).

Nesta época do ano, é lembrada uma tragédia muito maior no oeste do Japão, ocorrida em julho de 2018. Na ocasião, as chuvas torrenciais que caíram naquela época, as piores desde 1982, causaram mais de 200 mortes.

*Com informações da EFE