Caso Navalny: Laboratórios da Suécia e França confirmam envenenamento do opositor russo

Anteriormente, um laboratório do exército alemão já havia determinado que Navalny havia sido envenenado com um agente tóxico do grupo Novichok

  • Por Jovem Pan
  • 14/09/2020 10h19
EFE/EPA/EVGENY FELDMAN FOR ALEXEI NAVALNY'S CAMPAIGNAlexei passou mal durante um voo da Sibéria para Moscou, forçando um pouso de emergência em Omsk, onde recebeu tratamento em um hospital local

Laboratórios da Suécia e da França confirmaram, nesta segunda-feira, 14, o envenenamento do opositor russo Alexei Navalny. As informações foram confirmadas pelo governo da Alemanha, que havia solicitado a cooperação dos dois países. Anteriormente, um laboratório do exército alemão já havia determinado que Navalny havia sido envenenado com um agente tóxico do grupo Novichok. O governo alemão relatou o caso à Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), cujos laboratórios também estão realizando as análises relevantes, disse o porta-voz do governo, Steffen Seibert. Segundo ele, o governo alemão analisa agora os próximos passos com seus parceiros europeus.

Alexei Navalny passou mal durante um voo da Sibéria para Moscou, forçando um pouso de emergência em Omsk, onde recebeu tratamento em um hospital local. Os médicos russos que o trataram disseram não ter encontrado vestígios de envenenamento e atribuíram o colapso a problemas de metabolismo. No entanto, posteriormente, a pedido da família e de seus colaboradores, o líder opositor foi transferido para Berlim, onde segue internado no hospital universitário La Charité. Os primeiros exames realizados na Alemanha mostravam indícios de envenenamento, sendo solicitada a colaboração de um laboratório especializado do exército alemão, o que confirmou a suspeita inicial. O caso Navalny gerou tensões diplomáticas entre Berlim e Moscou. O opositor russo já acordou do coma induzido em que se encontrava e, de acordo com os médicos do hospital, reage quando falam com ele. Desde sua chegada a Berlim, Navalny está sob proteção policial com um dispositivo que foi reforçado depois que ele acordou do coma.

*Com Agência EFE