Massacre em escola no Texas: veja tudo o que se sabe sobre o ataque que deixou 21 mortos

Atirador, identificado como Salvador Ramos, não tinha amigos e atirou na avó antes de cometer o atentado; autoridades investigam o que teria motivado o crime

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2022 14h14 - Atualizado em 25/05/2022 17h29
Jordan Vonderhaar / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP tiroteio em escola do texas Um policial estadual do Texas recebe flores para as vítimas de um tiroteio em massa ontem na Robb Elementary School, onde 21 pessoas foram mortas, incluindo 19 crianças, em 25 de maio de 2022 em Uvalde, Texas. O atirador, identificado como Salvador Ramos, de 18 anos, teria sido morto pela polícia

A cidade de Uvalde, no Texas, foi palco de mais uma tragédia envolvendo violência com armas de fogo nos Estados Unidos na terça-feira, 24, quando um jovem de 18 anos, identificado como Salvador Ramos, matou 19 crianças e duas professoras na escola primária Robb Elementary. O ataque é considerado o mais mortal do país desde o tiroteio realizado na escola Sandy Hook, em 2012, quando Adam Lanza, de 20 anos, mato 26 pessoas, incluindo vinte crianças com idades entre 6 e 7 anos. Ramos foi morto pela polícia que ainda não sabe o que teria motivado o crime. Entretanto, de acordo com o porta-voz do Departamento de Segurança Pública do Texas, Chris Olivarez, o jovem atirou primeiro em sua avó, em casa, depois entrou em um veículo e sofreu um acidente perto da escola. Nesse momento, a polícia recebeu as primeiras ligações informando que um indivíduo armado estava caminhando em direção à escola.

Conforme as investigações das autoridades, todas as vítimas estavam na mesma sala, onde o criminoso se entrincheirou e atirou indiscriminadamente. Ele tinha dois tipos de armamento, uma pistola e um rifle. As autoridades analisam se a escola foi um alvo premeditado do atirador ou se ele entrou nela por causa de sua proximidade com o local do acidente de trânsito. No início da manhã de quarta-feira, 25, todas as vítimas já tinham sido identificadas e suas famílias notificadas, com algumas revelando a jornalistas os nomes de seus filhos que morreram no tiroteio. Xavier Lopez, 10; Nevaeh Bravo; Amerie Jo Garza, 10; Uziyah Garcia, 9; e as professoras Irma Garcia e Eva Mireles, foram algumas das vítimas identificadas. Além dos 21 mortos, centenas de pessoas também feridas, mas, de acordo com Olivarez, não há uma contagem exata. O University Health, um hospital em San Antonio, informou que uma mulher de 66 anos e uma menina de 10 anos foram levadas ao hospital em estado crítico após o tiroteio na escola e agora estavam em estado grave. 

Quem era o atirador? 

Salvador Ramos, 18 anos, era estudante de uma escola secundária local e morava com seus avós. O jovem não trabalhava, não tinha amigos e não estava em nenhum relacionamento amoroso. Ele apresentava antecedentes problemáticos, foi vítima de bullying no colégio e tinha problema com a mãe que, segundo os vizinhos, era usuária de droga. De acordo com o governador do Texas, Greg Abbott, ele agiu sozinho e “atirou e matou horrivelmente” todas essas pessoas. A polícia não tem conhecimento se ele fazia parte de alguma gangue. A avó de Ramos, que também foi atingida, está viva e hospitalizada, e as autoridades locais estão tentando localizar o avô.

Sua prima, Mia, contou ao The Washington Post que ele era ridicularizado durante o ensino fundamental por gaguejar e ter a língua presa, e pedia à avó para parar de frequentar as aulas. Stephen Garcia, um antigo amigo de Ramos, confirmou que o bullying era um problema. “Ele era fortemente atormentado, por muitas pessoas”, disse Garcia ao jornal. Outro colega, Santos Valdez, lembrou que Ramos uma vez se cortou no rosto “só por diversão”.

Em sua conta no Instagram, agora removida, mostrava fotos de um jovem com cabelo nos ombros e olhos fechados. Seu perfil também incluía imagens de dois rifles semiautomáticos e um carregador de pistolas. O governador do Texas, Greg Abbott, disse que os investigadores ainda estavam tentando reconstituir o ocorrido. Eles estão trabalhando para reunir “informações detalhadas sobre os antecedentes do sujeito, sua motivação, os tipos de armas utilizadas, a autoridade legal para possuí-las, e realizar uma investigação e reconstituição completa da cena do crime”, explicou Abbott.

Ataque foi anunciado nas redes sociais 

Assim como aconteceu no ataque em um supermercado em Buffalo, as redes sociais também foram utilizadas no ataque a escola no Texas. Ramos, anunciou no Facebook que planejava atacar uma escola aproximadamente 15 minutos antes de abrir fogo, declarou Abbott acrescentando que a arma usada foi um fuzil de assalto AR-15 e que o atirador publicou sucessivamente mensagens alertando que iria atirar em sua avó, depois outra especificando que já havia atirado. “A terceira mensagem, provavelmente menos de 15 minutos antes de chegar à escola, dizia: ‘Vou abrir fogo em uma escola primária'”, especificou em uma coletiva de imprensa. O Facebook esclareceu imediatamente que Ramos havia publicado essas advertências como parte do aplicativo de mensagens privadas e, portanto, as mensagens não foram descobertas até depois da tragédia. Segundo o porta-voz da rede social, Andy Stone, eles estão cooperando plenamente com a polícia que investiga o massacre.

massacre nos EUA

Tiroteios como o da escola primária Robb Elementary não são isolados. Prova disso é que o ataque correu 10 dias depois que um declarado supremacista branco atirou em 13 pessoas em um supermercado em um bairro majoritariamente negro de Buffalo. Só neste ano, 213 tiroteios em massa foram registrados e 7.584  pessoas morreram, de acordo com o Gun Violence Archive. Diante desse aumento de crimes envolvendo armas de fogo, o presidente Joe Biden pediu leis mais rígidas de controle de armas em um discurso no horário nobre para o povo norte-americano. “Como nação, temos que perguntar quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lobby das armas”, disse ele. Em condolências as vítimas, o líder dos EUA ordenou que as bandeiras sejam hasteadas a meio mastro diariamente até o pôr do sol no sábado. Os Estados Unidos são o único país desenvolvido onde se repetem de forma implacável os ataques a tiros em instituições de ensino.