Países europeus registram recordes de óbitos na segunda onda de Covid-19

Itália, Reino Unido, Rússia e Alemanha registraram maior número de mortes por coronavírus em um único dia; Croácia vive crise inédita na quantidade de infecções e Portugal, na de internações

  • Por Jovem Pan
  • 25/11/2020 16h30
EFE/EPA/GEORGI LICOVSKISegundo a Comissão Europeia, os países-membro devem iniciar a vacinação contra a Covid-19 ainda em dezembro

Nesta quarta-feira, 25, o mundo chegou ao total de 59.204.902 casos de Covid-19, sendo que 304.355 deles foram notificados nas últimas 24 horas. A atualização dos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) também aponta que 1.397.139 pessoas faleceram por terem sido infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia, já incluindo as 3.834 de vítimas do último dia. Os números, ainda que continuem sendo alarmantes, representam uma baixa nas curvas tanto de contágio quanto de óbitos no globo. No entanto, alguns países da Europa estão vivendo uma segunda onda de Covid-19 ainda pior que a primeira, com recordes de infecções, internações hospitalares e mortes sendo quebrados dia após dia.

Em relação ao número de óbitos, a situação mais crítica é a da Itália. Nesta terça-feira, 24, 853 pessoas morreram no país devido ao coronavírus, a maior quantidade desde 31 de março. Além disso, 34.577 infectados estão atualmente internados em hospitais italianos. Logo depois vem o Reino Unido, que no mesmo dia reportou 608 falecimentos por Covid-19, superando o maior marco que havia sido registrado até então, em maio. Felizmente, a quantidade de contágios detectados na terra da rainha Elizabeth II vem diminuindo dia após dia. Nesta quarta-feira, 25, foi a vez da Rússia e da Alemanha bateram recordes em seus números de óbitos por coronavírus em um único dia. O governo russo reportou 507 mortes, sendo que em seis regiões do país a ocupação dos leitos hospitalares ultrapassou 90%. Já a Alemanha somou 410 falecimentos, número muito maior do que o recorde anterior, que era de 315 vítimas da Covid-19 no dia 16 de abril.

Em termos de infecções, no entanto, a Croácia é um dos países que mais sofre na Europa atualmente. O país registrou nesta quarta-feira, 25, 3.603 casos de Covid-19, um recorde desde o início da pandemia. De acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, a incidência de mortos por cada 100 mil habitantes no país saltou 284%: foi de 4,9, no início de novembro, para os atuais 13,9. Há semanas a Associação de Médicos Croata vem cobrando do governo a adoção de medidas mais rígidas para tentar conter a propagação do novo coronavírus. O diretor do hospital geral de Varazdin, Nenad Kudelic, chegou a fazer um apelo desesperado sobre o tema. “Estamos em um estado de guerra. Os dados não são preocupantes, mas sim alarmantes”, afirmou. Por causa do alto número de internações na unidade, foi necessário montar tendas no entorno do prédio, para tentar aumentar o número de atendimentos diários.

Portugal também está vivendo uma crise em seu sistema hospitalar. Os números de internações bateram recordes nesta quarta-feira, 24, com 3.275 pacientes hospitalizados e 506 deles em unidades de terapia intensiva. Além disso, nas últimas 24 horas o país registrou 85 mortes por coronavírus. O número é o segundo maior desde o início da pandemia, superado apenas pelos 91 falecimentos registrados no dia 16 de novembro. Os especialistas estimam, no entanto, que Portugal ainda atingirá o pico da segunda onda de Covid-19 entre o final desse mês e a segunda semana de dezembro.

*Com informações da EFE