Polícia do Vietnã prende 8 suspeitos de envolvimento com 39 mortes em caminhão frigorífico

  • Por Jovem Pan
  • 04/11/2019 10h19
EFESuspeita é que vítimas eram imigrantes tentando entrar no Reino Unido

A polícia do Vietnã prendeu oito pessoas suspeitas de estarem envolvidas com os 39 corpos encontrados em um caminhão frigorífico em Londres, no Reino Unido, no dia 23 de outubro. Inicialmente, a equipe de investigação divulgou que as vítimas seriam chinesas, mas, na sexta-feira (1º), uma fonte oficial da polícia revelou que os mortos são do Vietnã, e que seus familiares, além das autoridades vietnamitas, tinham sido contatados.

Nos últimos dias, várias famílias vietnamitas relataram o desaparecimento de familiares que poderiam estar entre as 39 pessoas encontradas mortas no caminhão. Segundo a polícia britânica, a identificação das vítimas deve ser difícil, já que foram encontrados poucos documentos junto aos cadáveres.

A polícia disse, ainda, que está em curso uma investigação para desmantelar as redes de imigração ilegal que transportam pessoas para o Reino Unido. Com a notícia, o governo do Vietnã manifestou pesar com uma “grave tragédia humanitária” um dia depois de a polícia britânica ter afirmado que as 39 pessoas eram nascidas no país.

“Esta é uma grave tragédia humanitária. Estamos profundamente tristes e gostaríamos de apresentar as nossas mais profundas condolências às famílias das vítimas”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Vietnã, Le Thi Thu Hang. O país apelou “aos países da região e do resto do mundo para que acelerem a sua cooperação no combate ao tráfico de seres humanos, a fim de evitar que tal tragédia se repita”.

Prisões

Até sexta-feira (1º), duas pessoas já estavam detidas. Uma delas era o condutor do caminhão, um norte-irlandês de 25 anos, identificado como Mo Robinson – ele foi acusado de 39 crimes de homicídio e tráfico de pessoas, entre outros crimes.

Um segundo homem, identificado como Eamonn Harrison, de 22 anos, compareceu nesta segunda-feira (4) ao tribunal de Dublin, na Irlanda, por suspeita de envolvimento na morte das vítimas.

Os outros presos não tiveram seus nomes divulgados.

*Com informações da Agência Brasil