Protestos no Iraque têm 13 manifestantes mortos a tiros

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2019 11h12
EFEDesde o início das manifestações, há dois meses, mais de 360 pessoas morreram e cerca de 15 mil ficaram feridas

Pelo menos 13 pessoas morreram e outras 75 ficaram feridas, nesta quinta-feira (27), em confrontos entre manifestantes e forças de segurança no sul do Iraque. De acordo com médicos e policiais locais, as 13 vítimas foram mortas a tiros.

Segundo as autoridades, o incidente ocorreu quando as forças de segurança iraquianas avançaram para reconquistar duas pontes na cidade de Nassíria, na vanguarda da revolta contra o poder no sul do país. Mais de 50 manifestantes, que tinham bloqueado aquelas pontes, como parte de um amplo movimento de desobediência civil, ficaram feridos, alguns dos quais com gravidade.

A operação das forças de segurança teve início no dia seguinte à nomeação de um novo comandante militar na província para “impor a segurança e restaurar a ordem”, segundo um comunicado oficial.

Em dois meses, manifestações e violências causaram mais de 360 mortos e 15 mil feridos, segundo fontes médicas e policiais. O governo deixou de apresentar balanços oficiais.

Consulado do Irã é atacado

Na noite desta quarta-feira (27), centenas de manifestantes incendiaram o consulado do Irã na cidade de Najaf, num dia em que a violência no Iraque causou pelo menos seis mortos. Numa reação ao ataque, o Irã condenou, através do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano Abbas Mousavi, o ataque e “exigiu uma ação decisiva, eficaz e responsável contra os agentes de destruição e os agressores” contra o consulado em Najaf, no sul do Iraque.

Hoje, as ruas de Najaf amanheceram relativamente desertas, na sequência de um novo toque de recolher obrigatório decretado pelas autoridades iraquianas.

A contestação nas ruas, de um dos países mais ricos em petróleo do mundo, começou no dia 1º de outubro, com dezenas de milhares de iraquianos pedindo a revisão do sistema político e a renovação total da classe política dominante, que acusam de corrupção.

*Com informações da Agência Brasil