Relembre os maiores massacres a tiros que o mundo já viu

  • Por Thiago Navarro/Jovem Pan
  • 02/10/2017 13h45 - Atualizado em 02/10/2017 14h10
Ataque jihadista a universidade no Quênia deixou 148 mortos em 2018

Nesta segunda-feira (2), dezenas de pessoas morreram e centenas ficaram feridas em ataque durante um show de música country em Las Vegas, Estados Unidos, no maior ataque a tiros que o país já viveu.

A Jovem Pan Online listou os maiores massacres e ataques a tiros que o mundo já presenciou. Confira:

2016 – Em junho do ano passado, Omar Mateen, simpatizante do Estado Islâmico, entrou na boate gay Pulse, em Orlando, Flórida (EUA), e começou a atirar indiscriminadamente, deixando 49 pessoas mortas e 58 feridas no até então maior ataque a tiros dos EUA.

EFE

Velas em homenagem às vítimas de atentado a uma boate Orlando (EFE/EPA/RYAN STONE)

2015 – Uma série de ataques terroristas deixou 137 mortos mais centenas de feridos em Paris, na França. Apenas no teatro Bataclan, 90 pessoas foram executadas quando terroristas abriram fogo contra o público de um show da banda Eagles of Death Metal que ocorria. Além disso, restaurantes parisienses foram alvos de tiros em ataques simultâneos.

EFE

Policial em ação em frente ao Bataclan, onde mais pessoas morreram nos ataques a Paris

2015 – Chacina de Osasco e Barueri, na grande São Paulo: ataques a tiros deixaram 23 mortos e sete feridos na maior chacina do ano na região metropolitana de São Paulo. Os crimes ocorreram em um intervalo de apenas 50 minutos e começaram pouco depois das 20h30. Outras pessoas foram mortas em Barueri, cidade vizinha, até a meia-noite. Em alguns dos casos, os assassinos perguntavam quem tinha passagem policial. Pelo menos 10 pessoas teriam participado dos crimes.

2015 – Homens armados da rede terrorista Al-Shabaab, braço da Al-Qaeda, entraram na Universidade de Garissa, no Quênia, fizeram 700 estudantes reféns e mataram 148. Os radicais miravam em estudantes cristãos.

EFE

Mulheres choram após ataque a universidade no Quênia (EFE)

2015 – Homens do Boko Haram mataram 97 pessoas na vila de Kurawa, na Nigéria. Pessoas foram mortas em mesquitas e nas casas dos habitantes locais. No dia seguinte, 2 de julho, outro homem armado matou mais 48 pessoas em duas vilas perto de Monguno, no mesmo Estado de Borno.

2014 – Seis atiradores do grupo Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP) – (Talibã do Paquistão) entrou em escola militar em Peshawar, no Paquistão, e abriu fogo contra funcionários e crianças, matando 141 pessoas, incluindo 132 estudantes entre 8 e 18 anos.

2014 – Membros do grupo terrorista Boko Haram invadiram comunidades nas cidades vizinhas de Gamboru e Ngala, na Nigéria e deixaram cerca de 310 pessoas mortas. Eles usaram armas Ak-47 e RPGs roubadas do exército nigeriano meses antes. Onze meninas entre 12 e 15 anos foram sequestradas.

2013 – Dezenas de terroristas do Al-Shabab entraram em shopping de luxo de Westgate, em Nairóbi, capital do Quênia, e mataram 67 pessoas (mais 175 feridas) com AK-47s.

2012 – O atirador Adam Lanza, armado com várias pistolas, uma espingarda e um rifle, matou 27 pessoas, 20 crianças entre 6 e 7 anos e sete adultos, incluindo sua mãe, em uma escola primária de Sandy Hook, em Connecticut, EUA.

2012 – Homem abriu fogo contra um templo sikh em Oak Creek, no Estado de Wisconsin, EUA, deixando seis mortos.

2012 – Atirador invadiu sala de cinema na estreia de filme do Batman em Colorado, EUA, deixando 12 mortos e 58 feridos.

2012Quatro pessoas, três crianças e um professor, foram mortas em uma escola judaica em Tolouse, na França. Pelo menos 15 tiros foram dados.

2012Dezesseis afegãos civis, incluindo nove crianças, foram mortos em um ataque atribuído ao sargento americano Robert Bales. O ataque se deu em Panjwayi, na província de Kandahar.

2011 – Anders Behring Breivik, um terrorista cristão de extrema-direita, é o autor confesso dos atentados atentados em Oslo e Utøya, na Noruega, que mataram 77 pessoas e feriram 242. Na ilha de Utøya, Anders abriu fogo contra participantes de acampamento jovem organizado pelo Partido Trabalhista Norueguês, que estava no governo do País, matando ao menos 68.

2011 – No massacre de Realengo, no Rio de Janeiro, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira armado com dois revólveres e matou 12 alunos entre 13 e 16 anos, mais 22 feridos.

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Ato com abraço ao prédio com um pedido de paz mundial nas escolas relembra os seis anos do massacre do Realengo (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

2009 – Tim Kretschmer, de 17 anos, matou três professores e nove estudantes no massacre de Winnenden, no sudoeste da Alemanha. Depois, matou mais pessoas em uma loja de automóveis em cidade próxima, totalizando 15 vítimas fatais.

2009 – Major do exército americano e psiquiatra atirou e matou 13 colegas e deixou outros 30 feridos no pior tiroteio a uma base militar estadunidense. Nidal Malik Hasan realizou o ataque em Fort Hood, no Texas.

2008 – Matti Juhani Saari, estudante de 22 anos, matou 10 pessoas, nove alunos e professor no oeste da Finlândia.

2007 – O sul-coreano Seung-Hui Cho matou 32 colegas e professores no câmpus da Universidade Virginia Tech, nos EUA, antes de cometer suicídio.

Resultado de imagem para Seung-Hui Cho

O Massacre de Virginia Tech foi o maior massacre a uma universidade na história dos Estados Unidos (Reprodução)

2006 – Charles Carl Roberts deixou cinco pessoas mortas e sete feridas em uma comunidade Amish no município de Bart, na Pensilvânia. Ele atirou em meninas de 6 a 13 anos em uma escola.

2005 – Contrário à política de evacuação do governo de Ariel Sharon, o soldado judeu Eden Natan-Zada viajou até a cidade árabe de Shefa-Amr, em Israel, e abriu fogo contra residentes da etnia dos drusos, matando quatro.

2002 – Palestino radical da al-Aqsa matou seis pessoas e deixou 33 feridas com armas e granadas em uma celebração de Bar Mitzvah de uma menina de 12 anos em Hadera, Israel.

1999 – Mateus da Costa Meira disparou uma submetralhadora 9 mm em sala de cinema no Morumbi Shopping, em São Paulo, e deixou três mortos e cinco feridos.

1996 – Martin Bryant matou 35 pessoas e deixou 24 feridas em um intervalo de dois dias em Port Arthur, Austrália.

1996 – Homem atirou em uma escola primária matando 16 crianças e um professor em Dunblane, Escócia.

1993 – Na chacina da Candelária, oito jovens (seis menores de idade) sem-teto foram assassinados por policiais militares em frente à Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro.

1992 – Há exatos 25 anos, a Polícia Militar paulista entrava no Pavilhão 9 da Casa de Detenção do Carandiru, em São Paulo, para conter uma rebelião. A operação terminaria horas depois com 111 presos mortos a tiros. A maioria dos detentos foi morta dentro das celas com diversas marcas de tiros.

Impune, massacre do Carandiru completa 25 anos

1990 – David Malcolm Gray atirou aleatoriamente e matou 13 pessoas após uma briga de vizinho no maior massacre a tiros da Nova Zelândia, em Aramoana.

1989 – Marc Lépine, um misógino e antifeminista atirou e matou 14 estudantes mulheres na Escola Politécnica de Montreal, no Canadá. O evento fez o país aumentar o controle ao acesso às armas.

1987 – Um homem armado com rifles semi-automáticos matou 16 pessoas antes de cometer suicídio em Hungerford, Inglaterra. Os locais dos ataques incluíram um posto de gasolina, uma floresta e escola onde Michael Robert Ryan havia estudado.

1985 – A organização armada Tigres de Liberação do Tamil Eelam abriram fogo indiscriminadamente contra pessoas que esperavam ônibus em Anuradapura, no Sri Lanka, matando 146 civis cingaleses.

1984 – Atirador James Oliver Huberty matou 21 pessoas em um restaurante do McDonald’s em San Diego, EUA, antes de ser abatido por um sniper da SWAT.

1974126 turcos-cipriotas foram mortos em ataques com metralhadoras perpetrado pelo grupo paramilitar grego cipriota, ultranacionalista, EOKA-B. O massacre se deu nas vilas de Maratha, Santalaris e Aloda, no Chipre.

1930 – Tropas britânicas atiraram contra manifestantes pacíficos que pediam a independência da Índia, em Peshawar, no mercado de Qissa Khawani. A contagem oficial fala em 20 mortos, mas há relatos de fontes indianas e paquistanesas que apontam até 400 assassinados.

BritishIndianArmysoldiers.jpg

Membros do exército britânico atiram contra manifestantes desarmados em Peshawar (Creative Commons)

1925 – No massacre de Shakee (ou Shaji) trabalhadores de Hong Kong em greve foram assassinados durante manifestação por tropas britânicas, francesas e portuguesas. Mais de 50 pessoas foram mortas e 170 ficaram feridas.