Trump ignora especialistas e promete 100 milhões de doses de vacina em 2020

As declarações do líder estadunidense contradizem o diretor do CDC, Robert Redfield, que afirmou que a cura para o novo coronavírus será distribuída em uma base limitada a grupos com maior risco de morrer da doença

  • Por Jovem Pan
  • 17/09/2020 12h29
Chris Kleponis/EFEDonald Trump é o atual presidente dos Estados Unidos

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump ignorou os estudos dos especialistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) ao prometer que o país distribuirá 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 até o final deste ano. “Seremos capazes de distribuir 100 milhões de doses de vacinas até o final de 2020, e um número muito grande depois disso”, declarou o presidente em uma coletiva de imprensa da Casa Branca, na última quarta-feira, 16. As declarações do líder estadunidense contradizem o diretor do CDC, Robert Redfield, que afirmou, durante uma audiência do Senado, que a cura para o novo coronavírus estará disponível em novembro e dezembro, mas será distribuída em uma base limitada a grupos com maior risco de morrer da doença.

Sobre o público dos EUA em geral, Redfield disse que será possível aumentar a abrangência da imunização entre o segundo e o terceiro trimestres de 2021. Perguntado sobre isso, Trump respondeu que a previsão do CDC estava equivocada e se disse surpreso com a fala no Senado. O presidente revelou ainda que telefonou para dizer a Redfield que a projeção do diretor não condizia com a realidade. “Acho que ele cometeu um erro quando disse isso. É apenas uma informação errada. Eu ligue pra ele e ele não me disse isso. Talvez ele tenha confundido a mensagem, talvez tenha dito mal. Não, estamos prontos para seguir em frente imediatamente”, destacou o chefe de governo.

Trump afirmou nesta terça-feira que uma vacina poderia estar pronta em quatro semanas e hoje insistiu que será anunciada em outubro ou, no mais tardar, em novembro. Para ser distribuída à população americana, qualquer vacina deve ser liberada pela Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA), agência governamental responsável pela aprovação do uso de novos produtos de saúde pública.

*Com informações da Agência EFE