Ucrânia nega envolvimento no ataque na Rússia e atribui responsabilidade aos ‘serviços especiais’ de Moscou

Russos prometeram destruir sem piedade os dirigentes ucranianos caso seja confirmado o que Kiev tenha participado

  • Por Sarah Américo
  • 22/03/2024 18h19 - Atualizado em 22/03/2024 21h36
STRINGER / AFP tiroteio em moscou Bombeiros extinguem um grande incêndio na sala de concertos Crocus City Hall após o tiroteio em Krasnogorsk, nos arredores de Moscou, em março

Diante das ameaças e acusações russas, a Ucrânia negou que tenha envolvimento no ataque a uma sala de concerto na Rússia que deixou ao menos 60 pessoas mortos e mais de cem feridos. “Sejamos claros, a Ucrânia não tem absolutamente nada a ver com estes acontecimentos”, assegurou Mikhailo Podoliak pelo Telegram. “A Ucrânia nunca usou métodos de guerra terroristas”, acrescentou. Os ucranianos culpam os próprios serviços especiais russos pelo ocorrido. “O atentado terrorista de Moscou é uma provocação planejada e deliberada dos serviços especiais russos, ordenado por [o presidente Vladimir] Putin”, assegurou a Direção Militar de Inteligência (GUR) pelo Telegram. “Seu objetivo é justificar bombardeios ainda mais potentes contra a Ucrânia e uma mobilização total na Rússia”, acrescentou.

cta_logo_jp
Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

O exército de Kiev enfrenta há dois anos as tropas russas, que invadiram o país em fevereiro de 2022. Para a Ucrânia, “é importante realizar operações de combate eficazes, ações ofensivas para destruir o exército regular russo” e pôr fim à invasão, assegurou o conselheiro. A Rússia investida o responsável pelo ataque e prometeu  destruir os dirigentes ucranianos caso seja confirmado o envolvimento da Ucrânia no que eles classificam como um ‘ataque terrorista’. “Se ficar estabelecido que se tratam de terroristas do regime de Kiev (…), serão localizados e destruídos sem piedade, como terroristas. Inclusive os dirigentes do Estado que cometeu semelhante atrocidade”, afirmou pelo Telegram Medvedev, número dois do Conselho de Segurança russo.

*Com informações das agências internacionais

 

 

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.