Polícia prende sete acusados roubar dados secretos do governo indiano

  • Por Agencia EFE
  • 20/02/2015 15h33

Nova Délhi, 20 fev (EFE).- Pelo menos sete pessoas foram detidas pela suposta relação com o roubo de documentos confidenciais do governo indiano, alguns deles sobre o orçamento estatal que será apresentado em breve, informaram nesta sexta-feira fontes policiais.

As duas últimas detenções ocorreram hoje depois da prisão de cinco pessoas ontem, supostamente envolvidas no roubo e na venda de informações relacionadas principalmente com o setor energético, segundo as fontes da polícia citadas pela agência indiana “Ians”.

Os últimos detidos são um consultor de empresas energéticas que anteriormente trabalhou como jornalista do Ministério do Petróleo e um assessor residente em Melbourne (Austrália).

O chefe da Polícia de Délhi, B.S. Bassi, disse que ambos detidos são suspeitos de ter vendido informação às empresas cujo nome recusou facilitar porque a investigação segue em andamento, embora comentou que são interrogados responsáveis de importantes multinacionais indianas.

Os detidos de ontem são dois funcionários do Ministério e três pessoas que supostamente entregavam documentos obtidos em um edifício de alta segurança que compartilham no centro de Délhi vários departamentos do governo indiano, entre eles os de Energia e Carvão.

Os funcionários recebiam em troca cerca de 40 mil rúpias mensais (US$ 642), segundo a polícia.

Os documentos incluem informação como a relacionada com os planos governamentais sobre o gás que o ministro da Fazenda, Arun Jaitley, tinha previsto incluir na apresentação dos orçamentos no parlamento no próximo dia 28.

Um relatório policial sobre o caso assegura que a informação confidencial era fotocopiada fora do horário de trabalho em escritórios às quais acediam com chaves supostamente duplicadas, cartões de identidade falsas e permissões de acesso fraudulentos. EFE