Ala bolsonarista do PSL alcança maioria para migrar ao bloco de Arthur Lira

Mais quatro deputados formalizaram apoio à candidatura do parlamentar apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro; aprovação das assinaturas representará derrota política da Luciano Bivar

  • Por André Siqueira
  • 19/01/2021 16h30
Michel Jesus/Câmara dos DeputadosArthur Lira tem o apoio de Jair Bolsonaro, eleito presidente da República, em 2018, pelo PSL

A ala bolsonarista do PSL conseguiu, nesta terça-feira, 19, assinaturas necessárias para que o partido deixe o bloco de Baleia Rossi (MDB-SP) e passe a integrar o de Arthur Lira (PP-AL) na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados. Rossi é o candidato escolhido por Rodrigo Maia (DEM-RJ) para sucedê-lo, enquanto Lira é apoiado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Desconsiderando a assinatura dos parlamentares suspensos, 19 deputados federais no pleno exercício de seus mandatos são signatários do novo documento. Quatro membros da bancada assinaram o novo requerimento: Charlles Evangelista (MG), Delegado Pablo (AM), Luiz Lima (RJ) e Nicoletti (RR). As assinaturas precisam ser validadas pela Câmara.

Como a Jovem Pan mostrou, no dia 7 de janeiro, os bolsonaristas do PSL apresentaram uma lista na qual 32 dos 52 integrantes da bancada formalizando a adesão ao grupo de Arthur Lira. À época, a decisão foi contestada porque o documento considerava a assinatura de 17 parlamentares suspensos pela Executiva Nacional da legenda por infidelidade partidária. Com a adesão dos quatro deputados, a campanha de Lira possui o apoio de 19 deputados – para que uma sigla passe a integrar um bloco, é necessária a assinatura da maioria absoluta da bancada. Como 35 deputados estão exercendo o mandato de forma plena, o partido precisa do endosse de, pelo menos, 18 deles. Além de Evangelista, Pablo, Lima e Nicoletti, assinam o documento apresentado nesta terça-feira: Ale Silva, Aline Sleujtes, Bia Kicis, Bibo Nunes, Carla Zambelli, Carlos Jordy, Caroline de Toni, Chris Tonietto, Coronel Armando, Coronel Chrisóstomo, Coronel Tadeu, Daniel Freitas, Daniel Silveira, Dr. Luiz Ovando, Dra. Soraya Manato, Eduardo Bolsonaro, Filipe Barros, General Girão, Guiga Peixoto, Helio Lopes, Junio Amaral, Léo Motta, Loester Trutis, Lourival Gomes, Luiz Philippe de Orleans e Bragança, Major Fabiana, Marcelo Brum, Marcelo Álvaro Antônio, Márcio Labre, Nelson Barbudo e Sanderson.

“PSL definitivamente fora do bloco da esquerda. Com a adesão de mais 4 deputados, em qualquer cenário, valendo as assinaturas dos suspensos ou não, estamos fora! Parabéns a todos os 36 parlamentares que esvaziaram o bloco do PT, PCdoB, PDT com sua coragem e determinação”, disse o deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), autor do requerimento, em sua conta no Twitter. “Para dirimir qualquer dúvida e encerrar uma polêmica do Rodrigo Maia, nossa maioria no PSL aumentou de 32 para 36 assinaturas. Nós somos maioria no PSL de 53 e maioria de 35 como queria o presidente Rodrigo Maia. Nosso bloco está definitivamente com o PSL e com o PTB”, disse Lira.

A eventual confirmação da ida do PSL para o bloco de Arthur Lira representará uma derrota política do presidente nacional do partido, Luciano Bivar (PE). Na reunião da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, nesta segunda-feira, 18, Bivar pediu vista de um processo que analisa se os 17 deputados suspensos poderiam opinar sobre a formalização de blocos. Com a manobra regimental, não haveria decisão até o dia da eleição para a presidência da Casa, marcada para o dia 1º de fevereiro.