Após virar réu, Moro diz que quem lutou contra corrupção será ‘perseguido na democracia petista’

Petição movida por deputados federais do PT pede que o ex-juiz seja responsabilizado pelas perdas e danos causados à Petrobras

  • Por Jovem Pan
  • 24/05/2022 12h05
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 06/05/2022 Sérgio Moro participa de debates sobre as Eleições 2022 realizados pela Amcham em São Paulo (SP) Sergio Moro virou réu por supostos danos causados à Petrobras durante o período que atuou como juiz da Lava Jato

O ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) classificou como “risível” a ação popular em que deputados federais do PT pedem que ele seja responsabilizado pelas perdas e danos causados à Petrobras durante o período em que atuou na Operação Lava Jato. A petição foi protocolada em 27 de abril e recebida pelo juiz federal Charles Renaud Frazão de Morais, da 2ª Vara Federal Cível de Brasília (DF), na última segunda-feira, 23. “A ação popular proposta por membros do PT contra mim é risível. Assim que citado, me defenderei. A decisão do juiz de citar-me não envolve qualquer juízo de valor sobre a ação”, alegou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública. Moro afirmou que o que prejudica a economia é a “corrupção e não o combate a ela”. “A inversão de valores é completa: Em 2022, o PT quer, como disse Geraldo Alckmin, não só voltar a cena do crime, mas também culpar aqueles que se opuseram aos esquemas de corrupção da era petista”, defendeu o ex-juiz. “Todos que lutaram contra a corrupção serão perseguidos na ‘democracia petista'”, enfatizou Moro.