Aras pede informações à Abin e ao GSI sobre relatórios que orientaram defesa de Flávio Bolsonaro

Procurador reconheceu que fatos apresentados são graves, mas explicou que provas são necessárias para dar prosseguimento a uma investigação

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2020 12h55
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO - 05/11/2020O procurador-geral da República, Augusto Aras, se reuniu com jornalistas na manhã desta terça-feira

O procurador-geral da República, Augusto Aras, informou nesta terça-feira, 15, que pediu informações à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) sobre a produção de relatórios para a defesa do senador Flávio Bolsonaro na investigação do esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). A informação foi revelada por reportagem da revista Época na última sexta-feira, 11. Aras reconheceu que os fatos apresentados pela matéria são graves, mas explicou que provas são necessárias para dar prosseguimento a uma investigação.

“O fato em si narrado é grave, o que nós não temos são provas desses fatos. Nós não trabalhamos com narrativas. Nós trabalhamos com fatos e provas, por enquanto temos fatos transmitidos pela imprensa”, disse o procurador à imprensa nesta manhã. “Eu esperava que os parlamentares fornecessem esses elementos, e não vieram nessas representações. Então estamos oficiando os órgãos competentes, pedindo informações e ficamos a mercê dessas respostas”, afirmou sobre as ações apresentadas por deputados e senadores. “Nesse momento não sabemos se temos uma atuação do órgão ou de algum agente público que se desviou de suas atividades lícitas. Em tese pode ser até crime, o que precisamos saber é se o fato existiu e precisamos ter elementos.”

*Com informações do Estadão Conteúdo