Depoimento de Pazuello na CPI da Covid-19 é remarcado para 19 de maio

Na manhã desta terça-feira, 4, o general enviou um comunicado à direção da comissão pedindo a dispensa de sua oitiva por ter tido contato com pessoas infectadas com o novo coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 04/05/2021 16h13 - Atualizado em 04/05/2021 17h05
Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo - 21/01/2021Colegiado iniciou nesta terça a fase de investigação das ações do governo de Jair Bolsonaro durante a pandemia

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), remarcou para o dia 19 de maio o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Na manhã desta terça-feira, 4, o general enviou um comunicado à direção da comissão pedindo a dispensa de sua oitiva, por ter tido contato com dois assessores infectados com o novo coronavírus. O colegiado iniciou nesta terça a fase de investigação das ações do governo de Jair Bolsonaro durante a pandemia, com uma agenda de depoimentos. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta foi o primeiro a ser ouvido pelos senadores. A oitiva de Nelson Teich, que sucedeu Mandetta no comando da pasta por menos de um mês, estava previsto para a sessão de hoje, mas foi adiado para a quarta-feira, 5, às 10h – a informação foi divulgada pela assessoria de Aziz. Originalmente, Pazuello seria ouvido durante esta semana, assim como Marcelo Queiroga, atual ministro da Saúde, e Antônio Barra Torres, presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).