Eleições 2020: Matarazzo declara voto em Bruno Covas no segundo turno

Decisão foi tomada em caráter pessoal, e não partidário; após a conclusão da apuração, Jilmar Tatto (PT) e Orlando Silva (PCdoB) formalizaram apoio a Guilherme Boulos (PSOL)

  • Por André Siqueira
  • 17/11/2020 15h44
MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDOMatarazzo ficou na oitava colocação da eleição para a Prefeitura de São Paulo

O candidato do PSD à Prefeitura de São Paulo, Andrea Matarazzo, declarou voto no prefeito Bruno Covas (PSDB), que tenta a reeleição contra Guilherme Boulos (PSOL), no segundo turno das eleições municipais. Ministro da Secretaria de Comunicação Social durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, entre 1999 e 2001, ele conquistou 82.743 votos (1,55% dos votos válidos) e terminou a corrida pela Prefeitura de São Paulo na oitava colocação. A decisão foi tomada em caráter pessoal, e não partidário. Apesar disso, aliados do prefeito Bruno Covas esperam contar com o apoio da legenda presidida por Gilberto Kassab na disputa com o candidato do PSOL. “No último debate [promovido pela TV Cultura], Matarazzo não atacou Bruno, o que nos faz crer que o PSD pode nos apoiar. Russomanno não indo ao segundo turno, o Republicanos deve apoiar também. Isso tudo cria um cenário favorável para a reeleição do prefeito”, disse à Jovem Pan um correligionário de Covas.

O segundo turno da eleição municipal ocorrerá no dia 29 de novembro. No primeiro turno, Covas alcançou 32,85% dos votos válidos (1.754.013 votos), ante 20,24% de Boulos (1.080.736 votos). No domingo, 15, o candidato do PT, Jilmar Tatto, ligou para o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto para formalizar o apoio dos petistas à sua candidatura. “Acabei de ligar para Guilherme Boulos, a quem tenho como um irmão mais novo. Desejei sorte e disse que ele pode contar comigo e com a nossa valente militância para virar o jogo em São Paulo”, escreveu em seu perfil no Twitter. Secretário dos Transportes na cidade de São Paulo nas gestões de Marta Suplicy e Fernando Haddad, Tatto teve 461.666 votos (8,65%). Na noite desta segunda-feira, 16, foi a vez de Orlando Silva (PCdoB), declarar apoio à chapa do PSOL. “Foi importante derrotar Bolsonaro no 1º turno. Agora é hora de construir um projeto popular que priorize emprego e renda e faça de São Paulo uma cidade livre do racismo. Vamos juntos”, disse Orlando, que recebeu 12.254 votos (0,23%), em suas redes sociais.

O PSL, partido da deputada federal Joice Hasselmann, ainda não decidiu qual posição adotará no segundo turno. Em entrevista à Jovem Pan, o presidente da legenda em São Paulo, deputado federal Junior Bozzella, disse que se apoiar Boulos “é mais complexo por uma questão ideológica e fica distante daquilo que o partido prega”. “Talvez fica mais fácil se inclinar, se é que haverá esse movimento, pode ser que fique neutro, para o lado do Covas”, acrescentou. Vale destacar que, ao longo da campanha, Joice mirou sua artilharia contra a gestão de Covas e, no último debate, recitou um dos jingles de suas peças eleitorais para o tucano: “Para de aumentar o IPTU. Ei, prefeito, vai tomar vergonha”.