Eleições 2020: Quem é Joice Hasselmann, candidata à Prefeitura de SP pelo PSL

Ex-aliada do presidente Bolsonaro, deputada federal diz ter a ‘coragem’ necessária para ‘enfrentar as máfias que se alocaram dentro da prefeitura’

  • Por Rafaela Lara
  • 19/09/2020 10h00 - Atualizado em 19/09/2020 10h17
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDOJoice Hasselmann, candidata à Prefeitura de SP pelo PSL

Ex-aliada de primeira ordem do presidente Jair Bolsonaro e deputada federal, Joice Hasselmann é a candidata do PSL, antigo partido de Bolsonaro, à Prefeitura de São Paulo nas eleições municipais deste ano. Embora o rompimento de relações com o governo federal não tenha sido dos mais calmos, Joice afirma que buscaria diálogo no dia seguinte à sua possível eleição. “Eleita em um dia, no outro estarei sentada ao lado do presidente e do governador do Estado. Qualquer discordância que tenho com eles não pode se confundir com o que o povo precisa. Vou usar minha força, coragem e a capacidade de diálogo que exerci sendo líder do governo Bolsonaro e conseguindo, inclusive, todas as vitórias que ele precisava no Congresso. Nenhum deles será doido de virar as costas para a população da maior cidade do país”, disse.

Ao comentar o que motiva sua candidatura à prefeitura, a candidata afirma que “ao analisar os nomes que se colocaram a disposição e o cenário atual, vejo que nenhum deles tem condições. A cidade está abandonada nos últimos anos e, em um momento pós-pandemia, é necessário alguém que tenha coragem para enfrentar as máfias alocadas dentro da prefeitura, que começaram no PT e continuaram no PSDB”. Mesmo com as condições impostas pela pandemia do novo coronavírus – o estado de SP é líder no número de mortes no país –, Joice tem feito corpo a corpo nas ruas e, nas últimas semanas, esteve na região da Cracolândia, no centro de São Paulo. O episódio rendeu uma fake news que passou a circular na internet afirmando que ela usou atores nas gravações que fez no local – a candidata acionou a Justiça Eleitoral, que determinou a retirada do conteúdo do ar. “É absurda essa história. Eu estou levando todo mundo para a Justiça. Cansei de bater boca na internet. Não vai ter conversinha comigo. A Justiça Eleitoral é rápida e em 24 horas tira isso do ar”, contou à Jovem Pan.

A candidata do PSL tem Marcos Cintra, ex-chefe da Receita Federal do governo Bolsonaro, como coordenador de seu plano de governo, e afirma que deve revelar todos os nomes da equipe em breve. “É fartamente a equipe mais qualificada para governar a cidade de São Paulo. Além de Marcos Cintra, que todos conhecem, a equipe tem 2 ex-ministros, 2 ex-secretários municipais de São Paulo, e ex-governadores.” Nas redes sociais, Joice vem adotando o mote de “direita racional”, o que seria o oposto da ala “dura” do bolsonarismo pela qual é constantemente atacada nas redes sociais. Os comentários vão desde a sua aparência, o que fez a deputada entrar em uma dieta e perder 20 quilos, até as fake news que visam atingir sua candidatura. No Twitter, a candidata falou sobre a efetivação do general Pazuello no Ministério da Saúde. “Nos 4 meses de sua gestão, assistimos faltar medicamentos importantes no SUS, tentativa de manipular/omitir dados da pandemia e o fim das coletivas de imprensa que tanto esclareciam ao povo”, escreveu. Sobre o desafio na economia da cidade para o próximo gestor, Joice afirma que sua experiência como relatora do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), na Câmara dos Deputados, ajudou no desenvolvimento da ideia do “Banco da Mulher”, que oferecerá linhas de créditos com juros baixos e capacitação às mulheres paulistanas. “Com a pandemia, muitas pessoas perderam o emprego e a renda que tinham, então, com o Banco da Mulher, por exemplo, a linha de crédito viria junto com a qualificação e o treinamento técnico para que aquela pessoa possa começar a produzir”, disse. A candidata, no entanto, evitou críticas diretas à gestão Bruno Covas (PSDB) sobre a reforma do Vale do Anhangabaú. Segundo ela, é preciso “se aprofundar tecnicamente nesse assunto e passar um pente fino nas gavetas da Prefeitura. E, se necessário, chamar o MP e a Justiça para dentro”, disse.

O partido que lança Joice ao pleito municipal, o PSL, é presidido pelo deputado federal Luciano Bivar e, em 2018, elegeu 15 deputados estaduais em São Paulo, entre eles, a deputada Janaina Paschoal, a mais votada da história do país. Entre os federais, Joice foi a segunda parlamentar mais votada nas eleições de 2018, ficando atrás apenas de Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente. Celso Russomanno (PRB), que também é candidato à Prefeitura de SP, ficou atrás de Joice no pleito de 2018 e foi o terceiro deputado federal mais votado. Após o rompimento com o governo federal durante a crise que levou o presidente a deixar o partido que o levou a presidência, Joice perdeu seguidores nas redes sociais – e, atualmente, é no Facebook que ela tem mais seguidores, com pouco mais de 1.845.000 curtidas em sua página oficial. No Instagram, são mais de 950 mil seguidores e no Twitter, quase 350 mil.

Apesar das restrições impostas pela pandemia de Covid-19, Joice tem ido às ruas e visitado regiões centrais da capital paulista. Nos últimos dias, além da Cracolândia, a candidata também esteve na região da Praça da Sé, conversou com apoiadores e tirou fotos. Em uma de suas lives semanais nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro chega a mencionar Joice, mas sem citar seu nome, e comenta a passagem da candidata pela Cracolândia. “Teve uma candidata que gravou na Cracolândia esses dias e não vou falar nome não, pelo amor de Deus. Tem o político sério e tem alguns que apertam a mão do povo com um litro de álcool”, disse o presidente. Para Joice, a recuperação dos usuários de drogas da região não aconteceu até hoje “porque ninguém teve coragem de fazer”. Segundo ela, o município pode aplicar a internação compulsória, além de oferecer a estrutura para religação com a família e atendimento psicológico.