Ataque ao sistema eleitoral representa ataque à democracia, afirma Fachin

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral volta a pedir paz nas eleições, mas ressalta que a Justiça não irá aceitar interferências no pleito; ministro permanecerá até o dia 16 como mandatário da Corte

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2022 15h30
Antonio Augusto/Secom/TSE - 21/06/2022 Edson Fachin Presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Edson Fachin participa e sessão plenária da Corte

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, voltou a defender a democracia nesta sexta-feira, 05, e pediu paz nas eleições que ocorrerão em outubro deste ano. O também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) não citou nomes, mas argumentou que a Justiça não irá aceitar interferências durante o pleito e considera que ataques ao sistema eleitoral podem ser entendidos como ataques à democracia. “Tendo, como temos, um sistema eletrônico de votação seguro, transparente e auditável, quem, sem provas, ataca esse sistema está a atacar a democracia. Diálogo sim, imposição jamais. A Justiça Eleitoral reitera que não aceitará imposições de qualquer ordem ou de qualquer autoridade”, pontuou. Fachin também afirmou que haverá presença massiva de instituições que estarão aptas a fiscalizar todo o processo eleitoral e que será necessário prevenir-se de futuras violência que poderão ocorrer durante o leito. “O que se espera das importantes forças de segurança do Brasil e dos estados, das forças nacionais regulares e permanentes, o que se espera é que sejam fonte de segurança do processo eleitoral, e não o inverso”, ressaltou. O ministro permanecerá como presidente do TSE até o próximo dia 16, quando Alexandre de Moraes assumirá o comando da Corte.