Em SP, PT usará imagem de Lula para explorar ‘legado’ do partido na cidade 

Sigla recorre ao capital político do ex-presidente para alavancar a candidatura de Jilmar Tatto à Prefeitura; de acordo com a pesquisa Ibope mais recente, o candidato tem apenas 1% das intenções de voto

  • Por André Siqueira
  • 08/10/2020 11h52
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoEx-presidente já gravou vídeos para os programas de Tatto na TV

Com o início das propagandas eleitorais gratuitas em rádio e televisão marcado para a sexta-feira 9, o PT já definiu de que maneira utilizará a imagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para impulsionar a candidatura de Jilmar Tatto à Prefeitura de São Paulo. De acordo com petistas que acompanham de perto a estratégia montada para as eleições municipais deste ano, a ideia é explorar o que chamam de “legado” do partido, que governou a cidade em três ocasiões, e o potencial de Lula como cabo eleitoral. Os anúncios em rádio e TV serão feitos em dois formatos: nos blocos de 10 minutos, que vão ao ar de segunda-feira a sábado, duas vezes ao dia, e serão usados para mostrar os candidatos a prefeito; e também por meio de comerciais, de 30 segundos ou um minuto cada, que serão exibidos ao longo do dia. Para as inserções, cada emissora de rádio e televisão vai destinar 70 minutos diários.

Segundo pesquisa Datafolha, realizada entre os dias 21 e 22 de setembro, 20% dos paulistanos votaria em um candidato apoiado por Lula, contra 11% no caso do presidente Jair Bolsonaro e 8% em relação ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB) – a margem de erro é de três pontos para mais ou para menos. Pensando nisso, o ex-presidente já gravou vídeos para as peças que serão exibidas a partir desta sexta-feira. A legislação eleitoral prevê que os apoiadores podem ocupar, no máximo, 25% do tempo da propaganda. Tatto tem um minuto e sete segundos de tempo de TV, o que permite que Lula apareça por 16 segundos. O uso da imagem de Lula em vídeos, dizem integrantes do PT, também tem relação com a realidade imposta pela pandemia do novo coronavírus. Com 74 anos de idade, o petista integra o grupo de risco para a doença. O núcleo duro do partido pretende evitar, ao máximo, que o ex-presidente se exponha e, por consequência, promova aglomerações em agendas de rua. A campanha também pretende explorar os feitos de Tatto que remontam à época em que foi secretário nas gestões de Marta Suplicy e Fernando Haddad – no único debate realizado até o momento, promovido pela TV Bandeirantes, o candidato destacou, reiteradamente, a criação do Bilhete Único e a construção de 400 km de ciclovias e faixas de ônibus, por exemplo.

O PT acredita que as propagandas em rádio e TV representarão uma nova fase da campanha e aposta na força de Lula como cabo eleitoral para melhorar o desempenho de Tatto nas pesquisas. De acordo com o levantamento divulgado pelo Ibope na sexta-feira 2, o petista tem apenas 1% das intenções de voto. Candidato apoiado por Bolsonaro na cidade, o deputado federal Celso Russomano (Republicanos) lidera com 26%, seguido pelo atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), com 21%, e Guilherme Boulos (PSOL), com 8%.