Em vídeo, Valdemar Costa Neto convida Bolsonaro e filhos para o PL

Preso no escândalo do Mensalão, cacique afirma que sigla se preparou para ‘a realização de um projeto partidário arrojado, voltado para as eleições de 2022’

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2021 15h53 - Atualizado em 25/10/2021 15h54
Reprodução/Facebook/Partido LiberalDono do PL, Valdemar Costa Neto foi preso no escândalo do Mensalão

Em um vídeo divulgado na tarde desta segunda-feira, 25, o presidente nacional do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, abre as portas da sigla para o presidente Jair Bolsonaro, “seus filhos e fiéis seguidores da causa brasileira sob sua liderança”. O chefe do Executivo federal anunciou sua saída do PSL em novembro de 2019 e prometeu criar o Aliança Pelo Brasil, mas a iniciativa nunca saiu do papel. Desde então, o mandatário do país busca um partido para chamar de seu e tem sido cortejado por diversas legendas – além do PL, Bolsonaro já foi convidado pelo PTB de Roberto Jefferson e pelo Progressistas (PP) do ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira.

“É chegada a hora em que nosso partido desempenhará um papel de maior protagonismo no contexto da política nacional, organizando chapas robustas para o Senado, Assembleias Estaduais e Câmara Federal de norte a sul do país. Nós disputaremos a preferência do voto, inclusive, nas disputas para os governos estaduais. No curso dessas 36 anos de jornada, nos preparamos para a realização de um projeto partidário arrojado, voltado para as eleições de 2022. Por essa razão, estamos reiterando o convite de filiação partidário dirigido ao presidente Jair Bolsonaro, seus filhos e fiéis seguidores da causa brasileira sob sua liderança. Inspirados na grandeza desse passo, seguiremos orientados pela fé no futuro do Brasil, certo de nossas convicções na batalha de reeleição do presidente Bolsonaro pelo Partido Liberal”, diz Costa Neto, preso no escândalo do Mensalão, em uma gravação de pouco mais de um minuto.

O convite do presidente do PL foi publicado dias depois de deputados federais do Progressistas (PP) relatarem à Jovem Pan que as tratativas para a filiação de Bolsonaro estacionaram. Parlamentares ouvidos pela reportagem veem uma “guerra de versões” e avaliam que as chances do presidente da República migrar para a sigla comandada por Ciro Nogueira são baixas. “De zero a dez, a chance de vir é três”, afirmou um aliado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), um dos expoentes da agremiação. “Bolsonaro só vem para o PP se for louco. Você acha que o Ciro Nogueira vai querer perder o controle do partido? Eu vejo muita conversa ao vento, uma guerra de versões. Tem gente aqui dentro que diz ‘o Bolsonaro vai indicar candidatos para o Senado, mas o palanque nos Estados está liberado’. Para ele subir no palanque de um governador, o governador tem que apoiá-lo, e vice-versa. Você consegue imaginar o PT apoiando o Rodrigo Garcia [vice-governador e candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo]? Não, não é? O mesmo raciocínio se aplica ao Bolsonaro”, provoca um deputado do PP eleito por São Paulo.