‘Esquerda quer uma eleição em 2026 sem concorrente, W.O.’, critica Bolsonaro antes do julgamento de inelegibilidade no TSE

Por volta das 8h, o ex-presidente embarcou de Brasília para o Rio de Janeiro, onde cumpre agenda e deve acompanhar o julgamento que pode torná-lo inelegível por oito anos

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2023 09h02 - Atualizado em 29/06/2023 09h05
Reprodução/Jovem Pan News jair-bolsonaro-julgamento-tse-embarque-rj-reproducao-jovem-pan-news Ex-presidente Jair Bolsonaro conversou com jornalistas antes de embarcar ao Rio de Janeiro na manhã desta quinta-feira, 29

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma nesta quinta-feira, 29, às 9h, o julgamento sobre a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) movida pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) que pode tornar Jair Bolsonaro (PL) inelegível por oito anos (contando a partir das eleições de 2022). O ex-presidente embarcou de Brasília para o Rio de Janeiro, por volta das 8h, onde cumpre agenda e deve acompanhar o julgamento. Antes do embarque, em conversa com jornalistas, Bolsonaro alegou ser vítima de perseguição política: “É um julgamento político. Qual a materialidade da peça do Carlos Lupi, que falou em fraude sem voto impresso, contra a minha pessoa? O Lupi agora é ministro da previdência de Lula. O que parece que a esquerda quer? Ter uma eleição em 2026 sem concorrente, W.O. basicamente. Poderia até se pensar, pensando pela esquerda, se é que eles pensam, que está dispensada a eleição de 2026, sem um concorrente à altura. Seria eleger o Lula por aclamação.”

“Não tem nada demais na reunião com embaixadores, é uma política privativa minha conversar com embaixadores. E repito, só fiz a reunião porque dois meses antes, sem legitimidade, o ministro do TSE fez uma reunião com embaixadores também. Não tem problema, é informação. Vivemos ou não em uma democracia?”, criticou. O ex-presidente também declarou não ter conversado com o ministro Kassio Nunes Marques, indicado por ele ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas que conta com o apoio do magistrado: “Não conversei com ele nesses dias. Não conversei. É natural conversar, mas não conversei com ele. Tenho certeza que ele vai ser isento e falar o que for possível para mostrar que eu não tenho culpa e não cometi nenhum crime me reunindo com embaixadores. Agora, me acusar e me tirar os direitos políticos sob a acusação de abuso de poder político, a gente não consegue entender. Em 2017, a chapa Dilma-Temer foi absolvida mesmo com excesso de provas ao contrário. Criou-se uma jurisprudência, naquele momento não se julgou novas ações que foram incluídas no processo e o Temer continuou presidente”.

A ação julgada nesta quinta, movida pelo PDT, pede a inelegibilidade por conta de questionamentos feitos pelo ex-presidente referentes ao processo eleitoral, sem apresentar provas, durante uma reunião com embaixadores em julho de 2022. A partir das declarações, Bolsonaro é acusado de uso indevido dos meios de comunicação e abuso do poder político. Aliados e o próprio ex-presidente esperam que o ministro Raul Araújo Filho peça maior tempo para análise e, com isso, suspenda a sessão. Inicialmente, as esperanças estavam depositadas no ministro Nunes Marques, mas o magistrado será o sexto a votar. Neste momento do julgamento, acreditam interlocutores do ex-mandatário, já deve haver maioria a favor da inelegibilidade. Raul Araújo, por sua vez, será o segundo ministro a se manifestar sobre o caso e pode alongar o certame. Confira a fala completa do presidente antes de embarcar ao Rio de Janeiro no vídeo abaixo.

Comentários

Conteúdo para assinantes. Assine JP Premium.