Inquérito das fake news: Moraes compartilha provas contra PCO com TSE

Ministro do Supremo Tribunal Federal afirma que há ‘pertinência’ em partilhar os autos entre as Cortes; legenda chamou magistrado de “skinhead de toga” e defendeu a dissolução da Corte

  • Por Jovem Pan
  • 04/07/2022 20h47 - Atualizado em 04/07/2022 20h59
Carlos Moura/SCO/STF Alexandre de Moraes Ministro Alexandre de Moraes é o relator do julgamento a respeito da retroatividade da nova Lei de Improbidade Administrativa

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu compartilhar as provas contra o Partido da Causa Operária (PCO) no inquérito das fake news com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A decisão atende a um pedido do corregedor-geral eleitoral, ministro Mauro Campbell Marques e o magistrado alega em documento que há ‘pertinência’ para que as Cortes atuem em conjunto. A inclusão do PCO no inquérito ocorreu em junho deste ano após a legenda chamar o ministro de “skinhead de toga” e afirmar que o STF fraudou as eleições. A sigla também defendeu a dissolução da Suprema Corte. “No âmbito da Justiça Eleitoral, a investigação se debruça sobre a divulgação ou compartilhamento de fatos sabidamente inverídicos ou gravemente descontextualizados que atinjam a integridade do processo eleitoral, inclusive os processos de votação, apuração e totalização de votos. Não há dúvida de que o compartilhamento de elementos informativos colhidos pode e deve ocorrer, eis que largamente demonstrada a relação entre os fatos investigados, a revelar a adequação da medida”, afirmou Moraes em parte do documento.