‘Je ne Regrette Rien’: veja o que diz música de Édith Piaf citada por Moro ao falar da Lava Jato

Ex-ministro citou cantora francesa para afirmar que não se arrepende de decisões tomadas ao longo da carreira e afirmou que trabalho é reconhecido pela população

  • Por Jovem Pan
  • 30/03/2021 15h05 - Atualizado em 30/03/2021 15h11
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoEx-ministro afirmou que não se arrepende das decisões tomadas na carreira

Em fala durante transmissão ao vivo no último domingo, 28, o ex-ministro Sergio Moro falou sobre a acusação de suspeição contra ele, negou que tenha cometido qualquer erro nos processos da Operação Lava Jato de forma intencional e citou a cantora francesa Édith Piaf para afirmar que não se arrependia das decisões tomadas ao longo da sua carreira. “Não me arrependo, dá para tocar ao fundo a Edith Piaf, né? ‘Je ne me regrette rien’. Acho que foi um trabalho importante e o valor desse trabalho é reconhecido pela população brasileira”, disse Moro. O ex-magistrado se referia à música “Je Ne Regrette Rien” (Não, eu não me arrependo de nada), uma composição feita por Charles Dumont e Michel Vaucaire em 1956 que se tornou um dos maiores sucessos da artista.

Segundo a biografia da cantora, a música foi oferecida pelos dois compositores a ela após uma série de recusas de compositores anteriores. Após ouvir o som pela primeira vez, ela teria exclamado que aquele seria o maior sucesso da sua carreira. A composição foi dedicada à Legião Estrangeira Francesa e se tornou um hino coletivo para tropas que lutavam na Guerra da Argélia. Edith morreu no ano de 1963 aos 47 anos por câncer no fígado. Ela sofria de alcoolismo e costumava misturar o álcool com coquetéis diários de remédios. Confira, abaixo, a tradução da música “Je ne Regrette Rien”:

Não! Absolutamente nada
Não! Não me arrependo de nada
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal, isso tudo me é bem indiferente!

Não! Absolutamente nada
Não! Não me arrependo de nada
Está pago, varrido, esquecido
Que se dane o passado!

Com minhas lembranças
Acendi o fogo
Minhas mágoas, meus prazeres
Não preciso mais deles!

Varridos os amores
E todos os seus tremores
Varridos para sempre
Recomeço do zero

Não! Absolutamente nada
Não! Não me arrependo de nada
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal, isso tudo me é bem indiferente!

Não! Absolutamente nada
Não! Não me arrependo de nada
Pois, minha vida, pois, minhas alegrias
Hoje, começam com você!