Mirando 2022, Lula encontra Maia e outros parlamentares de centro para articular alianças

Em Brasília, ex-presidente também se reuniu com Gilberto Kassab, Kátia Abreu, Otto Alencar e Eunício Oliveira; Pacheco receberá o petista na residência oficial do Senado nesta quinta-feira, 6

  • Por Giullia Chechia Mazza
  • 05/05/2021 17h25 - Atualizado em 05/05/2021 19h14
Wilton Junior/Estadão ConteúdoLula tenta viabilizar uma união entre a esquerda e o centro para a disputa presidencial de 2022

Em Brasília desde segunda-feira, 3, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) articula alianças para as eleições de 2022. O petista, que permanecerá na capital federal até esta sexta-feira, 6, se reúne com parlamentares para viabilizar uma união entre a esquerda e o centro mirando a disputa presidencial do próximo ano. À Jovem Pan, a assessoria de Lula confirmou que, até o momento, o ex-presidente já se encontrou com o deputado Rodrigo Maia (DEM), o presidente do PSD, Gilberto Kassab, e os senadores Otto Alencar (PSD), Kátia Abreu (Progressistas) e Eunício Oliveira (MDB). Além disso, em seu primeiro encontro com um chefe de Poder desde que retomou os direitos políticos, Lula irá até a residência oficial do Senado nesta quinta-feira, 6, para se reunir com o atual presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM). Segundo a assessoria de Pacheco, trata-se de um encontro instituicional, sem um tema pré-definido.

“Maia foi convidado para a conversa com o presidente Lula. Eles falaram sobre a atual conjuntura política nacional, os problemas da gestão Bolsonaro na administração da pandemia de Covid-19 e sobre a crise política vivenciada pelo Estado do Rio de Janeiro”, disse a assessoria de Rodrigo Maia. Questionada se os políticos discutiram eventuais alianças para as eleições de 2022, a assessoria não confirmou, tampouco negou. “Rodrigo Maia apenas relatou estes temas, não nos deu mais detalhes”, respondeu. Apesar disso, fontes próximas ao presidente Lula alegaram à reportagem que o petista tem se movimentado para atrair o apoio de políticos do Centrão e ampliar o leque de alianças do PT para 2022. Atualmente, o bloco sustenta a governabilidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara dos Deputados.