Motociata nos EUA: Bolsonaro solicita ao STF arquivamento de pedido de investigação

Pedido realizado pelo deputado federal Alencar Santana (PT-SP) questiona participação do jornalista Allan dos Santos, foragido pela Justiça brasileira

  • Por Jovem Pan
  • 28/06/2022 19h02
Alan Santos/PR - 11/06/2022 Jair Bolsonaro Bolsonaro participou em motociata que teve a presença do jornalista Allan dos Santos em Orlando, nos Estados Unidos

O presidente Jair Bolsonaro (PL), juntamente com o ministro da Justiça, Anderson Torres, solicitaram à ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspenda o pedido de investigação contra a realização de uma motociata realizada em Orlando, nos Estados Unidos, que teve a participação do jornalista foragido pela Justiça brasileira, Allan dos Santos. O pedido foi realizado pelo deputado federal Alencar Santana (PT-SP) que acusou o mandatário brasileiro de ser omisso ao não adotar providências que pudessem deter o periodista. No documento, obtido pela equipe de reportagem da Jovem Pan, a Advocacia Geral da União (AGU) alega que o chefe do Executivo federal não tem “poder de polícia” em território estrangeiro e ressalta que notícias-crime contra o presidente devem ser encaminhadas à Procuradoria Geral da União (PGR). “Em seara internacional, compete ao Presidente da República relacionar-se, em nome do Brasil, com mandatários e autoridades de Estado soberanos. Entrementes, referida competência diplomática não pode ser elastecida ao extremo de se exigir do Presidente da República o desempenho de funções fiscalizatórias ou de polícia, para investigar e adotar providências em face de possíveis nacionais foragidos em território estrangeiro, algo que se revela absurdo e teratológico”, argumenta a AGU.

Entenda o caso

No dia 11 de junho, o presidente Jair Bolsonaro participou de uma motociata em território norte-americano e o jornalista Allan dos Santos apareceu para tirar fotos com os apoiadores do mandatário. No local, todos aguardavam a comitiva presidencial. O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, já emitiu um pedido de prisão contra Allan – que atualmente integra dois inquéritos na Corte: de fake news, que apura o disparo de notícias falsas contra a ordem democrática e o STF; e o das milícias digitais, que investiga a existência de um suposto grupo que teria como objetivo desestabilizar e enfraquecer a democracia no país.