Pacheco vai abrir caminho para CPIs, mas instalação deve ocorrer só depois das eleições

Presidente do Senado utilizou as redes sociais para divulgar os resultados da reunião com líderes partidários realizada nesta terça-feira, 5

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2022 11h55 - Atualizado em 05/07/2022 14h50
WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) Presidente do Senado decidiu abrir caminho para abertura das CPIs

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) decidiu abrir caminho para que sejam criadas novas CPIs. A decisão foi confirmada nesta terça-feira, 5. Entretanto, o parlamentar afirmou que os líderes partidários querem que as Comissões Parlamentares de Inquérito só sejam instaladas após o término das eleições deste ano. Dentre as CPIs que foram autorizadas, está a do MEC. “O Senado, integralmente, reconhece a importância das CPIs para investigar ilícitos no MEC, desmatamento ilegal na Amazônia, crime organizado e narcotráfico. Os requerimentos serão lidos em plenário por dever constitucional e questões procedimentais serão decididas. Porém, a ampla maioria dos líderes entende que a instalação de todas elas deve acontecer após o período eleitoral, permitindo-se a participação de todos os senadores e evitando-se a contaminação das investigações pelo processo eleitoral”, disse Pacheco em seu perfil no Twitter.

A decisão de Rodrigo Pacheco foi anunciada na manhã desta terça depois de uma reunião com líderes partidários. Com isso, a CPI que vai apurar denúncias de corrupção e tráfico de influência de pastores que atuavam de maneira informal no Ministério da Educação deve ser instalada após as eleições. Além disso, uma segunda CPI envolvendo o MEC deverá ser aberta para investigar crime organizado e obras inacabadas em creches e escolas durante os governos do PT. Em entrevista à Jovem Pan, o senador Plínio Valério (PSDB-AM)afirmou que instalar a CPI do MEC antes e outras comissões seria um desrespeito ao Senado. “Eu espero que ele [o presidente do Senado] não instale agora, mesmo querendo a CPI das ONGs, e vou exigir isso. É um desrespeito a 81 senadores, acima de tudo ao Senado Federal”.