Próxima sessão da CPI da Covid-19 será na quinta-feira; entenda os próximos passos

Ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta deve ser ouvido na terça-feira, 4; lista de prioridades apresentada por Renan Calheiros (MDB-AL) é formada por 11 pontos

  • Por André Siqueira
  • 27/04/2021 15h04 - Atualizado em 27/04/2021 15h08
Jefferson Rudy/Agência SenadoRenan Calheiros quer pedir informações ao governo federal sobre aquisição de vacinas e insumos

Presidente da CPI da Covid-19, instalada na manhã desta terça-feira, 27, com o objetivo de apurar ações e omissões do governo do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, o senador Omar Aziz (PSD-AM) convocou a próxima sessão do colegiado para a quinta-feira, 29, às 09h. Os integrantes da comissão terão até às 12h desta quarta-feira, 28, para fazer sugestões ao plano de trabalho a ser apresentado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) e votado na próxima reunião.

A sessão da quinta-feira também servirá para que sejam aprovadas algumas sugestões feitas por Renan Calheiros – a lista com 11 prioridades apresentada aos membros da CPI foi obtida pela Jovem Pan. No documento, o emedebista solicita “o inteiro teor dos processos administrativos, de contratações e das demais tratativas relacionas às aquisições de vacinas e insumos, no âmbito do Ministério da Saúde” e “toda a regulamentação feita pelo governo federal, no âmbito de lei nº 13.979, de 2020, que trata das medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública, especialmente sobre temas como isolamento social, quarentena e proteção da coletividade”.

O relator também quer marcar audiências com os três ex-ministros da Saúde (Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello), com o atual comandante da pasta, Marcelo Queiroga, e com o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres. Há a expectativa de que Mandetta, que deixou o governo federal em abril do ano passado, seja ouvido na terça-feira, 4. Renan Calheiros também quer requisitar ao Supremo Tribunal Federal (STF) o compartilhamento das investigações do inquérito das fake news e à CPMI das fake news “todo o material apurado”.