‘PSL raiz’ articula nova lista para tentar levar partido de volta ao bloco de Baleia Rossi 

Apesar da cisão no partido, aliados do presidente Luciano Bivar estimam que o emedebista possa receber entre 30 e 35 votos da segunda maior bancada da Câmara

  • Por André Siqueira
  • 26/01/2021 16h03
Luis Macedo/Câmara dos DeputadosLuciano Bivar participou do ato que oficializou a candidatura de Baleia Rossi

A ala bivarista do PSL articula uma nova lista para tentar levar o partido de volta ao bloco de Baleia Rossi, candidato do MDB à presidência da Câmara dos Deputados. A legenda havia se aliado, incialmente, ao emedebista. O presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, participou, inclusive, do ato que oficializou o nome de Rossi. Mas, como a Jovem Pan mostrou, os parlamentares ligados ao presidente Jair Bolsonaro coletaram assinaturas necessárias para migrar o partido ao grupo de Arthur Lira (PP-AL), expoente do Centrão e candidato apoiado pelo Palácio do Planalto.

Segundo relatos feitos à Jovem Pan, os bivaristas cobram “reflexão” de uma parcela da bancada. A estratégia, de acordo com deputados ouvidos pela reportagem, é reforçar quais são as bandeiras do PSL e contrapô-las com o perfil de Lira. Em 2018, o partido elegeu a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados, atrás apenas do PT, defendendo, entre outros temas, o fortalecimento da Operação Lava Jato, o combate à corrupção e o fim do toma lá, dá cá. A ala ligada a Luciano Bivar também cobra “coerência” dos deputados que sinalizaram apoio a Baleia Rossi e, semanas depois, assinaram o requerimento apresentado pelo deputado Major Vitor Hugo que formalizou a adesão ao bloco de Arthur Lira.

“Vamos trabalhar de forma incisiva, até o final da semana, insistindo no argumento de que é necessário haver coerência. É preciso se manter firme em seu posicionamento e não mudar de um lado para o outro. Não é que estes deputados resolveram apoiar o Arthur. Eles estavam de acordo com nosso posicionamento em relação ao Baleia e mudaram de lado repentinamente”, diz uma liderança do partido, se referindo a três parlamentares especificamente: Nicoletti (RR), Delegado Pablo (AM) e Charles Evangelista (MG). “Se dois deles forem convencidos, resolvemos o problema”, acrescenta. Caso consigam coletar as assinaturas necessárias para a mudança do bloco, a estratégia é apresentar a lista às vésperas da eleição, para evitar que os aliados de Lira tenham tempo hábil para reverter a decisão.

Apesar da cisão no partido, a ala bivarista do PSL estima que Baleia Rossi recebe entre 30 e 35 votos da bancada, formada por 53 parlamentares. A eleição para a presidência da Câmara ocorrerá na segunda-feira, 1º. Para vencer em primeiro turno, são necessários 257 votos. Caso esta quantidade não seja alcançada, os dois postulantes mais bem votados disputarão um segundo turno.