Rajoy dirá a Obama que Espanha se tornou confiável após crise severa

  • Por Agencia EFE
  • 12/01/2014 16h45

José Miguel Blanco.

Washington, 12 jan (EFE).- O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, destacará amanhã ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que a Espanha é um parceiro confiável, cumpre seus compromissos e diante das dificuldades da crise por qual passou realizou reformas que situaram o país no caminho da recuperação.

A mensagem de que é possível confiar na Espanha e em sua economia será um dos elementos principais da primeira reunião que Rajoy e Obama terão amanhã na Casa Branca, na qual abordarão também outros assuntos, como a cooperação no setor de segurança e defesa, as relações entre a União Europeia (UE) e os Estados Unidos e a situação no norte da África e América Latina.

Não há questões significativas que atrapalhem a boa relação existente entre os governos dos dois países, segundo fontes espanholas, que apesar de não estar previsto, acham possível que os dois abordem assuntos como a suposto espionagem da Espanha por parte da Agência de Segurança Nacional (NSA).

Questão que motivou o governo espanhol a pedir explicações ao embaixador dos Estados Unidos na Espanha, James Costos, e sobre o qual Obama poderia adiantar a Rajoy que comunicará no dia 17 de janeiro as decisões que serão adotadas após a revisão dos programas de vigilância revelados pelo ex-analista da NSA Edward Snowden.

Mas será a economia, porém, o fio condutor da reunião, como foi em quase todas as conversas que ambos os líderes tiveram nos últimos dois anos em função da crise que atingiu de forma especialmente forte a Espanha.

Mas ao contrário da preocupação dos primeiros contatos, Rajoy apontará amanhã a Obama um panorama que considera bem diferente e sublinhará que a Espanha soube afastar o fantasma de um possível resgate, seu prêmio de risco se encontra em números distantes dos máximos que atingiu e há vários dados que constatam a recuperação e que haverá criação de emprego.

O presidente americano, quando falou com Rajoy na cúpula do G20 em São Petersburgo (Rússia), em setembro do ano passado, já elogiou a evolução da economia e as reformas aplicadas e, segundo adiantou a Casa Branca, pretende analisar amanhã com o chefe do governo quais deverão ser os passos adotados agora pela Espanha e a UE.

Rajoy pretende argumentar que apesar da melhora não é possível se dar por satisfeito em função do grande número de desempregados. O chefe de governo garantirá que vai seguir no caminho reformista com decisões como uma próxima reforma tributária, que está atualmente em estudo por parte de um grupo de especialistas.

O governante também irá expor estes argumentos nas reuniões que fará em Washington com investidores dos Estados Unidos na câmara de Comércio deste país e com a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Rajoy também irá reforçar a sua condição de aliado em questões como segurança e defesa, e em relação ao assunto falará com Obama sobre o desdobramento para a base de Rota, em Cádiz, de destróieres americanos como parte do escudo antimísseis.

Além disso, explicará que a Espanha seguirá entre os países que apoiam um tratado de livre-comércio entre a União Europeia e os Estados Unidos, um objetivo que, ao contrário de algumas vozes na UE, Rajoy assegura que não será obstaculizado pelo caso da espionagem da NSA.

Rajoy chegará nesta noite a Washington e sua agenda até terça-feira inclui, entre outros atos, uma reunião com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, José Miguel Insulza, e uma visita ao Capitólio, onde se reunirá com membros do Comitê de Relações Exteriores do Senado. EFE