Referendo revogatório do prefeito de Bogotá é suspenso após sua destituição

  • Por Agencia EFE
  • 20/03/2014 00h44

Bogotá, 19 mar (EFE).- A Registraduría Nacional, a autoridade eleitoral da Colômbia, anunciou nesta quarta-feira a suspensão do referendo revogatório do prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, previsto para o próximo dia 6 de abril, após sua destituição do cargo.

Petro foi destituído hoje pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, cujo governo não acatou o pedido de medidas cautelares da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para impedir a saída do prefeito e sua inabilitação por 15 anos para exercer cargos públicos.

Devido ao anúncio feito esta noite por Santos, que acatou a ordem de destituição emitida no dia 9 de dezembro pela Procuradoria Geral (Ministério Público), a Registraduría “procederá com a suspensão da votação na qual os cidadãos compareceriam às urnas e decidiriam se revogariam ou não o mandato do prefeito da capital do país”.

“A órgão não executou até a data de hoje os recursos alocados pelo governo para a consulta revogatória no valor de 35 bilhões de pesos (US$ 17,5 milhões),” acrescentou a Registraduría em comunicado.

Esse referendo tinha sido convocado pela autoridade eleitoral em um processo aberto contra Petro por má gestão administrativa que correu em paralelo com a investigação da Procuradoria Geral pela crise envolvendo a coleta de lixo de Bogotá em dezembro de 2012 que acabou com sua destituição como prefeito.

Petro foi eleito para o período 2012-2015 e como ainda restam mais de 18 meses de mandato, a Registraduría terá que convocar novas eleições na capital colombiana para escolher quem vai completá-lo. EFE