Republicanos começam a fazer alianças para evitar luta interna

  • Por Agencia EFE
  • 14/06/2015 18h23

Jairo Mejía.

Washington, 14 jun (EFE).- Seis dos principais candidatos às eleições presidenciais americanas de 2016 se reuniram neste fim de semana no estado de Utah para tecer alianças e evitar uma luta interna descontrolada que diminua suas possibilidades em relação à principal rival democrata: Hillary Clinton.

Com o objetivo de não cair novamente na mesma armadilha, o ex-candidato republicano à presidência, nas eleições de 2012, Mitt Romney, convidou doadores, estrategistas e seis dos 11 principais aspirantes a presidente a um hotel em Utah.

O principal ausente do encontro privado foi Jeb Bush, que anunciará na segunda-feira sua intenção de ser o candidato do Partido Republicano após meses de campanha de arrecadação e formação de sua equipe.

Jeb Bush está na Europa, onde tentou corrigir o rumo de uma campanha que na realidade iniciou há cinco meses com a criação de um Comitê de Ação Política (PAC, sigla em inglês), que espera arrecadar US$ 100 milhões.

Em entrevista exibida neste domingo pela “CNN” da Estônia, Jeb Bush quis se distanciar dos outros dez candidatos republicanos, que transformam o processo de eleições primárias do partido em algo parecido a um malabarismo.

Jeb Bush, que teve uma pré-campanha complicada, com dificuldades para diminuir as críticas das bases mais conservadoras, garantiu que “o povo se decide nas últimas semanas das primárias” e que “será um progresso lento, mas estável”.

Distanciar-se da gestão de seu irmão e ex-presidente, George W. Bush, e arrecadar o dinheiro necessário para uma campanha americana foram alguns dos maiores desafios para o ex-governador da Flórida até o momento.

O republicano mudou seu diretor de campanha antes de começá-la oficialmente para canalizar sua estratégia, apesar de estar na condição inicial de favorito tecnicamente empatado com o senador Marco Rubio e o governador de Wisconsin, Scott Walker.

Walker e, principalmente, Rubio (que apresentou uma melhora nas pesquisas) se reuniram neste fim de semana com grandes doadores dos republicanos convidados a Deer Valley (Utah) por Mitt Romney, que quer ser o padrinho de um candidato que convença tanto as bases como o eleitorado das eleições gerais e não se esgote em lutas internas.

Rubio, que em alguns círculos soa como companheiro de Walker, ganhou uma renovada popularidade entre os conservadores após rebater com provas um artigo do jornal “The New York Times” que expunha despesas extravagantes e más decisões financeiras.

As pesquisas realizadas pelo site de análise eleitoral “RealClearPolitics” colocam Jeb Bush, Walker e Rubio na margem de 11% a 10%, com vantagem clara sobre outros rivais, mas com apoio muito mais repartido que o da aspirante à indicação democrata Hillary Clinton, líder indiscutível de seu partido com 59%.

Segundo o site especializado “Politico”, os doadores republicanos, liderados pelo magnata dos cassinos Sheldon Adelson – que doou mais de US$ 100 milhões em 2012 -, buscam uma aposta segura que possa fazer frente a Hillary Clinton.

O dinheiro é uma das melhores mensurações das possibilidades presidenciais nos EUA e, apesar levar clara vantagem, Jeb Bush parece ter dificuldades para conseguir a cota dos US$ 100 milhões proposta para este mês, segundo o jornal “The Washington Post”.

A hora da verdade chegará com o primeiro debate televisivo entre os republicanos, previsto para o dia 6 de agosto na emissora “Fox News”.

No retiro da montanha de Utah, o ex-candidato presidencial de 2008 e senador John McCain criticou as normas dos debates elaboradas pelo Partido Republicano, pensadas para reduzir o número de intervenções e aparições e permitir assim um menor desgaste dos favoritos no processo de eleições primárias. EFE