“Só sei aquilo que ele me disse: que é absolutamente inocente”, diz advogado do Pizzolato

  • Por Jovem Pan
  • 06/02/2014 19h22

O ex-presidente do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, condenado à prisão pelo envolvimento no caso do mensalão. A defesa dele tem como objetivo mantê-lo na Itália e deixá-lo responder apenas pelo crime de falsidade ideológica.

O advogado italiano de Pizzolato, Lorenzo Bergami, afirmou que a justiça italiana não tem nada a ver com a extradição do mensaleiro. Bergami acredita que as mesmas cortes de segunda e terceira instância não podem levar em conta uma sentença emitida por um Estado estrangeiro. Com relação à condenação de Pizzolato no Brasil, o advogado afirmou que só sabe o que foi dito a ele pelo próprio condenado.

“No mérito do procedimento brasileiro, não posso dizer muito, só sei aquilo que ele me disse: que é absolutamente inocente e quer demonstrar essa inocência”, disse.

Bergami falou ainda sobre a comparação do caso de Pizzolato com Cesare Batisti, condenado à prisão perpétua na Itália, que teve a extradição negada no Brasil por ser considerado um “perseguido político”.

“São dois casos diferentes, pois tanto as duas cortes superiores deverão avaliar depois os elementos que podem levar à extradição. Não podemos pensar numa lógica de vingança. É claro que podem existir questões de consideração política, mas que não devem afetar nem a mim e nem aos magistrados”, opinou Bergami.

O Brasil tem 40 dias a partir da data da prisão para pedir a extradição de Henrique Pizzolato. Confira a entrevista completa do advogado de Henrique Pizzolato no áudio acima.