Sudeste deve tomar medidas drásticas, caso chuvas não atinjam os reservatórios

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2015 15h23
JOANÓPOLIS, SP, 24.07.2014: ABASTECIMENTO-SP - Chuva fina molha o solo rachado pela seca na represa de Jaguari, em Joanopólis (SP). O reservatório integra o Sistema Cantareira, que está com nível muito baixo. (Foto: Joel Silva/Folhapress)Reservatório Cantareira

Após o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga dizer que o Governo Federal contava com ajuda divina para que volte a chover no país, governadores dos estados do Sudeste também manifestaram-se sobre a crise hídrica. Caso as chuvas voltem a atingir o Brasil, principalmente as áreas mais afetadas com a seca nos reservatórios, não seriam necessárias medidas mais drásticas, como o racionamento de energia para garantia de fornecimento para a população, tampouco o racionamento de água.

No Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, se reuniu com a presidente Dilma Rousseff e disse que vai “torcer” para que chova no Estado, e que não sejam necessárias medidas drásticas em relação ao consumo de água.

Em Minas Gerais a situação é parecida e o governador Fernando Pimentel também esteve com a presidente e disse que pode haver um “severo” racionamento de água no Estado, caso não chova.

No RJ ainda não será cobrada uma taxa extra dos consumidores, já em MG, já foi adoatada uma campanha para reduzir o consumo em 30%. Segundo os governadores, na reunião com a presidente, foi discutido os projetos para garantir o abastecimento nestes dois Estados.

A presidente tem garantido que a questão da água é de responsabilidades dos governadores, mas que a União tem ajudado na medida do possível, inclusive financeiramente.

Na semana passada, em encontro coma presidente Dilma, a ministra do Meio Ambiente Izabela Teixeira lembrou que a população precisa economizar não só água, mas também energia elétrica.