UE pede compromisso da COP20 sobre meta de redução de emissões

  • Por Agencia EFE
  • 01/12/2014 21h50

Lima, 1 dez (EFE).- A União Europeia (UE) pediu nesta segunda-feira em Lima a todos os países participantes da cúpula mundial das Nações Unidas sobre a mudança climática (COP20) para que deem “um passo adiante” e comuniquem suas metas de redução de gases do efeito estufa após o acordo anunciado por Estados Unidos e China em novembro.

A chefe de delegação da Comissão Europeia, Elina Bardram, e o chefe da delegação da Itália, Roberto Binatti, como representante do país que ocupa a presidência europeia, lembraram em entrevista coletiva que a UE já se comprometeu a reduzir 40% de suas emissões antes de 2030.

Os representantes da delegação consideraram que os anúncios de UE, EUA e China devem servir como “catalisadores” para incentivar os esforços dos demais países em conseguir um novo acordo climático global que seja aprovado no próximo ano na COP21 de Paris para que substitua o Protocolo de Kioto.

Para a delegação da União Europeia, o próximo acordo climático deve “ser aplicado a todos os países e ser equilibrado, vinculativo e durável”, por isso expressou a urgência de que cada país comunique antes de março de 2015 seus objetivos de redução de emissões de uma maneira “transparente e comparável”.

“Temos todos os motivos para sermos otimistas. Há muitos indicadores de um compromisso global. Todos querem fazer sua parte, mas necessitamos que mais países deem um passo adiante e assim acertarmos uma maneira conjunta de avaliar a contribuição de cada um”, explicou Bardram.

“Necessitamos ter parâmetros claros para somar nosso esforço ao de Estados Unidos, China, Índia, Brasil e outros países”, enfatizou.

Os EUA se comprometeram a reduzir as emissões de gases do efeito estufa para 2025 entre 26% e 28% em relação aos níveis de 2005, enquanto a China atingirá o teto de suas emissões de gases do efeito estufa em 2030.

A COP20 foi aberta hoje com a presença de 10.300 delegados de 195 países, e suas reuniões acontecerão até o próximo dia 12, quando se espera o anúncio de um acordo de todos os países sobre um documento base que deverá ser aprovado no ano que vem em Paris. EFE

fgg/id