Boeing desaparecido, Ucrânia, Venezuela, precatórios e greve: as principais notícias do dia

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2014 19h43

Em mais uma participação ao vivo na Rádio Jovem Pan, o comentarista Reinaldo Azevedo comentou muitas das principais notícias do dia. Reinaldo falou sobre as faixas de ônibus de São Paulo, sobre o julgamento dos precatórios no Supremo Tribunal Federal em Brasília, e, no mundo, explanou acerca do desaparecimento do Boeing 777 e da possibilidade de ter tido atentado terroristas, além das situações na Ucrânia e Venezuela, entre outros assuntos. Ouça no áudio ao lado e acompanhe abaixo.

Faixas

Reinaldo se diz favorável aos corredores e às faixas de ônibus, mas diz que “a Prefeitura precisa aprender a ouvir um pouco mais a cidade, e isso não tem sido feito, especialmente em relação às faixas”. Ele cita pesquisa recente que mostra que os ricos estão usando mais transporte público e os pobres estão comprando mais carros. Azevedo afirma que a Prefeitura errava quando fazia um “arranca-rabo” entre pobres e ricos por causa da questão das faixas, uma vez que não é verdade que o carro seja usado só pelos ricos. Azevedo já havia comentado ontem na Jovem Pan sobre o assunto. Confira aqui.

Boeing Malasya 777

Reinaldo Azevedo, que tem assumidamente medo de avião, diz não entender o porquê de a Interpol ter descartado a possibilidade de atentado terrorista no sumiço do Malasya 777. Ele explica que há dois sistemas de transmissão em uma aeronave. Um deles é o ELT (Emergency Locator Transmitter), que emite um sinal de rádio captado por outros aviões, navios e satélites. Esse sinal, desde que não seja desligado de forma deliberada, fica emitindo sinal o tempo todo.

Um avião não desaparece do nada. “Isso só acontece em Lost, não acontece na vida real”. Nem o ACARS (Aircraft Communications Addressing and Reporting System), outra forma de registro, funciona. Uma possibilidade é de o avião ter sido conduzido por terroristas com o transponder desligado. Reinaldo Ressalta, porém, que é difícil encontrar destroços de um avião, e “para derrubar um troço enorme como esse basta uma bomba pequena que abre um buraco na fuselagem, como aconteceu com o avião da Pan Am que explodiu sobre a Escócia em atentado terrorista da Líbia”. Joseval Peixoto lembra ainda do Boeing 707, que desapareceu em 1979 e nunca foi encontrado.

Venezuela

Dilma Rousseff anunciou a criação de comissão na Unasul para mediar crise na Venezuela. Reinaldo Azevedo critica a medida e diz que “Nicolás Maduro matou a 22ª pessoa ontem”, em meio aos protestos que enfrenta o país. O Brasil votou contra o envio de uma missão da OEA (Organização dos Estados Americanos) para a Venezuela. A presidente comparou a intervenção com a interferência do Mercosul após o impeachment de Fernando Lugo no Paraguai. Reinaldo classifica a comparação como “absolutamente estúpida”. “O Paraguai depôs Fernando Lugo de maneira legal, constitucional”, diz Reinaldo.

Reinaldo ressalta também que “ainda que ele pare de matar, a Venezuela está prendendo opositores, por crime de opinião, e isso é muito, muito grave”. Ele ainda comenta que hoje a imprensa foi destruída na Venezuela. Rádio e tv venezuelanos estariam impossibilitados de fazer a cobertura dos protestos. Na visão do comentarista, a Venezuela tem uma legislação que caracteriza o país como uma ditadura. “É preciso redemocratizar a venezuela”.

Cara limpa

Governo Federal desistiu de proibir uso de máscaras em protestos. Haverá punição apenas se a polícia avaliar que o manifestante apresenta algum tipo de perigo. Reinaldo prevê que “vai dar confusão”. Ele diz que “é preciso que tenha uma lei clara a respeito” e lembrea que os black blocs fazem quebra-quebra apenas quando estão em grupo.

Precatórios

O STF retomou nesta qurta o julgamento sobre regras para o pagamento de precatórios. A decisão da stf pode comprometer até 13% do caixa da prefeitura de São Paulo dos próximos anos. Reinaldo Azevedo critica a posição de Luiz Fux: “infelicíssima”, diz. Fux concedeu liminar contra a própria decisão. Na visão do jornalista, “simplesmente esses entes federativos não têm condições de pagar” os precatórios exigidos.josé dirceu

Dirceu

Houve também uma notícia sobre o processo que pode impedir José Dirceu, condenado no mensalão em regime semi-aberto, de trabalhar fora da cadeia; e outra nota sobre a decisão da Câmara de manter o regime fechado para devedores de pensão alimentícia. “Será que o Zé Dirceu não está devendo alguma pensão para ele ficar em regime fechado?”, provoca Azevedo.

Ucrânia

Reinaldo Azevedo diz discordar do comentarista Jovem Pan Caio Blinder a respeito da solução para os conflitos na Ucrânia. “Eu não tenho nenhuma simpatia pelo Putin”, ressalta, mas “a Crimeia é russa desde que o mundo moderno existe”. Ele lembra que a frota russa na Crimeia existe desde o século XVIII, criada pelo príncipe Potemkin.

A maior parte da Crimeia é russa e quer ser russa. “Eu não estou endossando a forma como ele (Putin) agiu”, diz Azevedo. Ele afirma que líderes europeus e Obama tinham que ter conversado com líderes ucranianos para manter o presidente Viktor Yanukovich, que já tinha aceitado sair e convocar eleições. Por isso Azevedo avalia a crise como “desnecessária” e decorrente do fato de que existem líderes fracos na Europa e nos EUA. A Rússia não sai mais da Crimeia, nunca saiu e nunca sairá, constata.

Joseval Peixoto, por sua vez, lembra que a Ucrânia dá saída à Rússia para o Mar Negro, e um acesso à Europa e ao Ocidente, como é possível ver abaixo (Google Maps). No Mar Negro está a segunda maior frota da Rússia.

Greve

Azevedo falou ainda dos agentes penitenciários, que decidiram manter a greve. Eles pedem, entre outras coisas, reajuste salarial. Para Azevedo, “o patrão do servidor público é a população” e, em épocas de crise, é o povo quem “paga o pato”. “No momento em que se tem uma ameaça potencial do PCC, é preciso que o sindicalismo aprenda a distinguir uma ação sindical de uma ação que objetivamente colabora com o bandido”, diz.