Caso do pastor que defende que mendigos devem passar fome mostra que vivemos tempos ruins

Coisas assim fazem a gente duvidar que alguém seja capaz de defender um absurdo como esse

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 13/05/2022 14h55
Reprodução/Facebook/Marcos Granconato Pastor Marcos Granconato Pastor Marcos Granconato defende que mendigos têm 'dever bíblico' de passar fome

Chega uma hora que o jornalismo cansa, depois de uma vida inteira de dedicação. Uma vida inteira. Mesmo tendo duas outras formações acadêmicas, mestrado e doutorado em Letras. Mas sempre se dedicando ao jornalismo. Chega uma hora que cansa. Já adolescente comecei a escrever as primeiras notícias. E nunca mais da minha vida saí de uma redação. A vida inteira foi assim. Mas chega esta hora em que se cansa, depois de passar por todos os cargos que o jornalismo pode oferecer a alguém. E por todos os casos também. Mas sempre tem um caso novo para encarar. E cada vez cansa mais. 

A gente se depara com fatos que já não fazem parte de nosso universo de absurdos. Você, caro leitor, concorda com uma manchete como esta: “Mendigos têm o dever bíblico de passar fome, diz um pastor armamentista”? Concorda? De fato, os tempos são ruins. Quem diz essa barbaridade é o pastor evangélico Marcos Granconato, que tem mais de 30 mil seguidores nas redes sociais. Desanima mesmo ler algo assim. A gente chega a duvidar que alguém seja capaz de defender um absurdo como esse. O pastor, além de dizer coisas assim, costuma postar fotos suas com armas nas mãos. Parece que vai para uma guerra. 

Líder da Igreja Batista Redenção de São Paulo, o pastor esclarece que defende o que está na Bíblia. É ativo nas redes sociais, especialmente no Facebook, no qual publica vídeos com suas pregações. Também gosta de falar de armas e política, com muitas críticas, especialmente a Lula e contra a esquerda. Ele diz que esta é a hora da força e da fúria total. Este colunista não sabe exatamente o que ele quer dizer com isto. O pastor afirma que se a esquerda chegar novamente ao poder no Brasil, o demônio dominará tudo, implantando sua agenda maligna. Recentemente, postou: “Se alguém derramar o sangue do homem, pelo homem se derramará o seu”. Sempre utiliza uma referência bíblica. Em outra postagem, escreveu que nos países comunistas o Evangelho é perseguido, massacrado e silenciado, enquanto em países capitalistas o Evangelho é livre para buscar seus santos ideais. Já postou uma foto sua com uma arma na mão e a legenda :”Cajado moderno”. 

Justificando a frase que os pobres têm a obrigação bíblica de passar fome, o pastor Marcos Granconato cita Paulo de Tarso, teólogo que escreveu boa parte do Novo Testamento, para quem os pobres pararam de trabalhar porque acreditavam na volta de Cristo e passaram a viver às custas dos outros. O pastor assegura que tem contato com muitos mendigos, dizendo que são pessoas fortes, saudáveis, jovens, inteligentes e capazes. Mas preferiram viver nas ruas para ficar livre do trabalho e responsabilidades. Para os moradores de rua e aqueles que vivem na miséria, o pastor tem uma frase na ponta da língua, que dispara sempre que tem oportunidade: “Você não quer trabalhar, então também não deve comer!”. 

Isso seria a consequência do estilo de vida que essas pessoas escolheram. Para o pastor, oferecer alimento para os mendigos e pobres seria premiar, incentivar e promover o ócio, o que é pecado. É mesmo difícil. Está tudo muito complicado na cabeça das pessoas. Para este colunista, não dá mais para encarar coisas assim. O tempo deve ter passado depressa demais e o colunista ficou para trás vivendo um tempo que não existe mais. É sensível demais para um tempo que se tornou massacrante. Tanto que o colunista que ocupa este espaço está começando a compreender melhor que chegou a hora de parar.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.