Madrugada foi de frustração, mas histórica para as eleições norte-americanas

Trump garante que venceu e que irá à Suprema Corte, e Joe Biden diz que as declarações de Trump são ultrajantes

  • Por Álvaro Alves de Faria
  • 04/11/2020 09h24 - Atualizado em 04/11/2020 09h45
Calvin Mattheis/News Sentinel via Imagn Content Services, LLCVotação nos Estados Unidos em 2020 teve participação histórica dos cidadãos

A peça não foi até seu final. A plateia não escondeu a frustração. Ficou no ar certa perplexidade. Mas qual será o final desse grande espetáculo? Pode ser uma luta de contendores raivosos. Ou qualquer coisa que o valha. A eleição presidencial dos Estados Unidos se arrastou madrugada adentro na contagem dos votos não concluída ainda. Até o momento, o candidato Joe Biden soma 238 votos e o presidente Donald Trump, 213. Perto das 4 horas da manhã, Trump postou uma mensagem em uma rede social, dizendo que “eles não vão roubar a eleição, nós não vamos  permitir”. Pouco antes, Joe Biden saiu da casa onde assistia ao espetáculo e disse a um punhado de apoiadores: “Estamos no caminho certo para vencer”. E fez um agradecimento a todos que participaram daquele processo democrático. Falou rápido com um sorrisinho, demonstrando otimismo e foi dormir um pouco, já que ninguém é de ferro. Logo a seguir, entrou no palco o personagem principal, Donald  Trump, que pôs a boca no mundo, seguindo aquele jeito de quem está acima de tudo. Trump afirmou, então, que venceu a eleição presidencial. Enraivecido, comunicou a quem possa interessar que vai recorrer à Suprema Corte de Justiça dos Estados Unidos para parar a contagem dos votos, única maneira, conforme disse, de impedir uma fraude.

No momento em que falava, Trump estava atrás de Joe Biden na projeção de número de delegados no colégio eleitoral. Trump repetiu que “eles não vão roubar a eleição”. Depois, saiu de cena com os passos pesados demais para aquela hora da madrugada, quando todos deveriam estar dormindo, mas estavam ali, no grande teatro. Diante da Casa Branca. Trump disse exatamente o seguinte: “De repente, eu disse: o que aconteceu com a eleição? Eles sabiam que não podiam ganhar, então disseram ‘vamos ao tribunal’. Queremos que a lei seja usada de maneira adequada, por isso iremos ao Supremo Tribunal dos Estados Unidos. Queremos que todas as votações parem. Não queremos que eles encontrem cédulas às 4 da manhã e as adicionem à lista”. Trump demonstrou que não estava para brincadeira. Com sua metralhadora giratória gritou no microfone que aquilo tudo era uma grande fraude para o povo americano, uma vergonha para os Estados Unidos. E garantiu que, por direito, venceu a eleição.

Alguns especialistas americanos afirmaram, mesmo dentro da madrugada, que Trump estava seguindo o script que ele mesmo preparou, declarando-se vitorioso, ao mesmo tempo em que contestava os votos recebidos pelos correios e que ainda não haviam sido contados. O personagem Joe Biden tinha conhecimento de que isso poderia acontecer, por isso se antecipou e fez seu pequeno discurso para anular a manobra. Afirmou, então, aplaudido pela plateia, que “Trump não roubará esta eleição”. Os assessores mais próximos de Trump asseguraram nesta manhã de quarta-feira, 4, que Trump vai mesmo procurar a Suprema Corte dos Estados Unidos para impedir a contagem dos votos que restam. Mas não explicou exatamente qual será o argumento que usará. As cenas estavam desencontradas com alguns atropelos e muitas festas nas ruas. Antes de voltar à Casa Branca, Trump afirmou: “Milhões e milhões de pessoas votaram em mim. Mas um triste grupo está querendo tirar o direito dessas pessoas. Estávamos nos preparando para uma grande festa. Vamos vencer tudo”. E observou que aquela eleição foi um recorde absoluto, com números nunca vistos. Trump citou a Pensilvânia, um dos estados que, quase sempre, decidem as eleições norte-americanas. Disse, então, que na Pensilvânia ele estava com mais de 600 mil votos de vantagem. “Uma tremenda vantagem”, acentuou, perguntando de novo: “Mas, o que aconteceu com a eleição?”. Trump observou que vencerá na Pensilvânia garantindo sua reeleição, mas as projeções de voto revelam que Biden vencerá no estado. Para azar de Trump, a Suprema Corte autorizou que os votos enviados até a data limite de terça-feira, 3, serão apurados até a próxima sexta-feira, 6. Por seu lado, Biden pede paciência aos seus apoiadores, dizendo: “Estamos no caminho para ganhar esta eleição”. E falou que todos precisam ter fé: “Pode demorar um pouco mais. Não é minha função ou de Donald Trump declarar que ganhou a eleição. Isso é uma decisão do povo americano. Mantenham a fé, nós vamos ganhar!”. Seja como for, foi uma data histórica para as eleições norte-americanas, com números nunca vistos desde 1900. Então, ficou assim: Donald  Trump garante que venceu e que irá à Suprema Corte. E Joe Biden diz que as declarações de Trump são ultrajantes e depõem contra os Estados Unidos.