Seleção chega badalada, mas estreia com empate

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2018 07h56
EFEUm time pode se comportar bem antes de a disputa começar, mas o jogo só é à vera quando a campanha começa

Peço licença a meu amigo Wanderley Nogueira e sua equipe para falar de futebol. Copa do Mundo também é política. Um time pode se comportar bem antes de a disputa começar, mas o jogo só é à vera quando a campanha começa. Isso serve tanto para o mundial quanto para eleições. Que os candidatos ao título não se iludam.

A seleção brasileira, por exemplo, chegou badaladinha a essa Copa. Na estreia, porém, empatou. No mundo real, que é só o que importa, não jogou bem. Nem nos tais vinte minutos iniciais. Não jogou bem nem por um minuto. É preciso reconhecer. Há pedagogia nesse reconhecimento. Há pedagogia e maturidade também em dois outros reconhecimentos.

Primeiro: não houve falta sobre o zagueiro Miranda no gol da Suíça. O erro de posicionamento da defesa brasileira nesse lance foi infantil, daí o tento adversário. Ficar de mimimi – em vez de assumir a falha – é investimento seguro no fracasso. Alguém que quer vencer não pode se desconcentrar. A luta só acaba quando termina. Vide Cristiano Ronaldo.

Segundo: não houve pênalti em Gabriel Jesus, e é até constrangedor ver o modo desproporcional como o atacante se joga ao chão se comparado à disputa pela bola na jogada. Uma presepada.

Confira o comentário completo de Carlos Andreazza: