Denise: BC confirma expectativa de que Selic possa cair ainda mais

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2019 10h35
Fátima Meira/Estadão ConteúdoInstituição viu cenário exterior otimista, mesmo com desaceleração e incertezas

Tanto o Federal Rerserve (Fed) como o Comitê de Política Monetária (Copom), aqui no Brasil, tomaram a decisão que era mais do que esperada, pelo menos para nós: taxa básica de juros em 5,5% ao ano, o menor nível já registrado. Nos Estados Unidos, intervalo entre 1,75% e 2%.

Em relação ao Fed, a gente percebe uma cautela maior no cenário na sinalização de mais cortes nos juros. A decisão não foi unânime, eles consideram o ritmo de crescimento da economia americana, o forte desemprenho do mercado de trabalho, eles estão em uma situação de pleno emprego. Agora, curiosamente, nos EUA, não se vê pressões inflacionárias, então isso inverte o que normalmente costuma acontecer, mas o Fed sinaliza que vai observar esse cenário ao decidir futuros passos da política monetária.

Aqui no Brasil o Copom tomou a decisão que se esperava, esse corte de 0,5 ponto percentual (p.p), o que chamou a atenção até dos que defendem mais a redução de juros foi o ânimo e otimismo do Banco Central (BC) em relação ao cenário, inclusive internacional, que guarda grandes incertezas, como a preocupação global com a possibilidade de uma desaceleração mais forte de atividade.

Tudo bem que os bancos centrais em todo o mundo estão reduzindo os juros: na Europa e no Japão já estão negativos. O problema é que o BC do Brasil não vê riscos maiores nesse cenário de desaceleração e de grandes incertezas, com o Brexit, com guerra comercial, nós temos prolemas, inclusive, na vizinhança, na Argentina, e BC manteve mais ou menos aquela avaliação muito otimista do cenário internacional e reduziu mais as projeções para a inflação aqui no Brasil, mesmo considerando o câmbio na faixa dos R$ 4,10.

O Banco Central está contando com a inflação deste ano, em 3,4%, e no ano que vem, no intervalo de 3,6% a 3,8%. Inflação bem abaixo da meta que daria condições de cortes adicionais dos juros. Então o BC, além de confirmar a expectativa do mercado de que pode vir mais uma redução de 0,5 p.p, ainda dá a entender que talvez a gente possa ter uma taxa abaixo de 5% ao ano.