Argentina entra atrasada no mercado de vinhos naturais, mas o faz com maestria

Produtor argentino resolveu disputar o mercado com todo o mundo e hoje oferece um produto competitivo, bem-feito e que merece ser conhecido

  • Por Esper Chacur Filho
  • 27/11/2020 08h00 - Atualizado em 27/11/2020 12h18
PixabayVinho natural argentino é um dos mais competitivos do mercado

Os argentinos, quando resolvem fazer bons vinhos, tendem à excelência, passando por cima do Chile como um trator quando o quesito é qualidade/tipicidade. Vejam o exemplo do Catena, Achaval-Ferrer, Clos de Los Siete, Cobos e Finca Sophenia, dentre outros.  Ocorre que a Argentina foi o último dos grandes produtores a investir no mercado de vinhos naturais (alcançando os orgânicos e biodinâmicos também). Pois bem, quando o fez (há pouco tempo) deixou claro a maestria de seus produtores, que bem souberam manejar as técnicas destes vinhos naturais.

É verdade que há muito tempo existem vinhos naturais argentinos sendo produzidos, um exemplo clássico são os da Côlome (disponíveis no Brasil). Ocorre que, na última década, o produtor argentino resolveu disputar mercado, não só com os chilenos e uruguaios, mas com todo o mundo e, a partir daí, passou a ofertar ao mercado produtos muito bons e que são merecedores de todos os méritos. O Família Cecchin Malbec é um belo vinho orgânico e que está por aqui. Os tintos da Bodegas Chacra também merecem menção, especialmente seu Pinot Noir de Rio Negro. O conceituado Ernesto Catena está produzindo um ótimo Cabernet Sauvignon em Mendoza que leva o nome de ANIMAL. Em suma, o vinho natural argentino é hoje competitivo e muito bem-feito. Merece ser conhecido.