Vinhos da Alsácia: confira sugestões disponíveis no mercado nacional

Vinhos brancos da região são um excelente acompanhamento para os pratos mais gordurosos e patês mais fortes, em especial o foie gras, que os alsacianos reivindicam para eles a criação

  • Por Esper Chacur Filho
  • 12/06/2021 10h00 - Atualizado em 12/06/2021 10h12
Celina Albertz/UnsplashDa Alsácia saem maravilhosos vinhos brancos, cujos mais conhecidos vêm da casta Riesling

A região da Alsácia é, historicamente, objeto de disputa entre França e Alemanha e é inegável a influência germânica neste território francês; lugar de onde saem maravilhosos vinhos brancos, cujos mais conhecidos vêm da casta Riesling. A viticultura já é praticada na Alsácia há muito tempo (58 a.C.). O início do cultivo da uva e fabricação de vinhos se refere à invasão romana e usurpação da terra que era ocupada pelos Celtas. A região foi anexada à França durante o reino de Luís XIV, até sua incorporação pela Alemanha ao final da Guerra Franco-Prussiana, sendo retomada pela França após o final da Primeira Guerra Mundial. Fora a Riesling, há muitas outras castas de extrema relevância daquela região. Por exemplo, a Gewrztraminer, cujos vinhos são bem aromáticos e frutados; a Pinot Gris, que produz vinhos com notas de pêssego e ameixa e bem longevos; a Sylvaner, que nos entrega vinhos com toques florais e uma excelente acidez; a Pinot Blanc, que é muito utilizada para a produção de espumantes, e as Cremants d’Alsace.

Importante ressaltar que o clima da Alsácia é bem frio, e que o Terroir único, a despeito de muitas tentativas, não conseguiu ser repetido em lugar algum do Novo Mundo. Outra coisa: os produtores da Alsácia dão muito mais importância ao Terroir que às uvas propriamente ditas. Os brancos alsacianos são um excelente acompanhamento para os pratos mais gordurosos, patês mais fortes e, em especial, para o foie gras, que os alsacianos reivindicam para eles a criação. Diz a lenda que, em 1762, Jean-Pierre Clause, cozinheiro do governador da Alsácia, Marshall de Contades, preparou um patê com o fígado gorduroso de ganso e em homenagem a seu patrão o chamou de “patê à la Contades” (cf. Empratado). A popularidade se espalhou rapidamente, e a tradição mandava que fosse feito com fígado de gansos engordados na Alsácia. Da região, também encontramos excelentes tintos vinificados a partir da Pinot Noir, que são espetaculares e de um frescor ímpar. Alguns vinhos alsacianos que merecem ser conhecidos: da uva Riesling o Zind-Humbretch; da Gewrztraminer os do Bott-Geyl; da Pinot Gris os do Dopff au Moullin; da Sylvanner os Trinbach e um bom Cremant; da uva Pinot Blanc, o Renée Mure. Todos estão disponíveis no mercado nacional. Salut!