Enfermeira e professora, Ana Carolina Silva conta como concilia carreiras tão agitadas

Ana também é gestora, empreendedora e palestrante e afirma que, com tantas coisas para administrar, não tem tempo para ‘ficar à toa’

  • Por Fabi Saad
  • 30/12/2020 15h30
DivulgaçãoAna Carolina Silva é enfermeira, gestora e professora e foi eleita Top Voice Saúde pelo LinkedIn

Eleita Top Voice Saúde pelo LinkedIn, Ana Carolina Silva é enfermeira, gestora e professora. Ela conta sobre sua trajetória, como concilia tantas profissões e sobre o projeto Mais Gestão Mais Saúde, que produz conteúdo digital para o público. Além disso, ela afirma que seu maior objetivo é contribuir para a saúde do país e inspirar pessoas a correrem atrás de seus sonhos. Para Ana Carolina, devemos ter dedicação, responsabilidade e sermos agentes das mudanças que acreditamos para o mundo.

1. Como começou a sua carreira? Sempre gostei de estudar e queria ter uma profissão que tivesse importância e fizesse o bem para as pessoas. Assim, entendi que queria ser enfermeira e professora. Sempre fui uma aluna dedicada e fiz processo seletivo para estágio assim que permitido. Trabalhei num estágio remunerado até a formatura. Assim que me formei, consegui minha primeira oportunidade no hospital em que era acadêmica e no setor que mais me encantou, o CTI. Trabalhei por 4 anos como enfermeira supervisora, assistindo os pacientes e sendo responsável pelo meu setor e equipe. Conciliava esse trabalho com alguns extras cobrindo férias e realizando minha primeira pós graduação, em terapia intensiva. A busca constante por conhecimento e aprimoramento é fundamental, principalmente quando o seu trabalho é cuidar de vidas. Você precisa ser o melhor que puder pelos seus pacientes, pelas famílias deles e pela equipe pela qual é responsável. Depois, comecei a intercalar o trabalho na assistência com funções administrativas, organizando o setor e treinamentos para melhorias contínuas. A partir daí, iniciei minha jornada na gestão de enfermagem. Minha segunda pós graduação foi em gestão em saúde, e trabalho como coordenadora de grandes equipes desde então. Ser gestora abriu meu leque de possibilidades de atuação, com resultados ainda mais abrangentes para um volume muito maior de pacientes e profissionais.

2. Como é formatado o modelo de negócios do Mais Gestão Mais Saúde? Cuidar e ensinar são a minha essência. Durante minha atuação na Assistência e Gestão, também realizei trabalhos de ensino e educação continuada. Após 13 anos de experiência, resolvi empreender para dar voz a uma enfermagem mais capacitada e contribuir efetivamente para uma entrega melhor de saúde. O Mais Gestão Mais Saúde é o nome dado ao meu projeto de produção de conteúdo digital sobre saúde, gestão, enfermagem e liderança. Os conteúdos têm valor social, pois estudo fontes confiáveis e de qualidade para informar, orientar adequadamente e fornecer dicas para o público em geral. Também desenvolvo trabalho docente ministrando aulas, cursos e palestras. É um negócio feito com muita dedicação e amor para desenvolver e inspirar pessoas.

3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira? Trabalhar com saúde e educação não é fácil, ainda mais em um país como o nosso, que não valoriza essas áreas tão fundamentais. E nesse ano, em meio à pandemia, trabalhar foi ainda mais desafiador. Planejamento em tempo recorde, mudanças e necessidades de treinamentos constantes, trabalhando muitas horas a mais, ausência de insumos, falta de profissionais (por aumento de demanda e adoecimento). Muito desafiador, mas também possibilitou muito crescimento e novas possibilidades.

4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora? Resumindo em algumas palavras: determinação, foco e responsabilidade. Tudo é possível quando temos determinação para alcançar um propósito, foco no nosso objetivo e responsabilidade em fazer tudo que nos propomos entregando com o maior valor. Coloco tudo na agenda, organizo o que precisa ser feito, priorizo o que é mais importante, abro mão de confortos momentâneos e ladrões de tempo, afasto as reclamações, aprendo continuamente e foco em agir. Eu não sei o que é “ficar à toa” (risos). Tenho dias muito produtivos, mesmo aos finais de semana. No trabalho e em casa. E também tenho momentos de descanso e lazer valiosos, fazendo o que realmente gosto com quem realmente vale a pena. Isso é fundamental. Todos nós temos 24h por dia. A questão é como aproveitamos cada uma delas.

5. Qual seu maior sonho? Contribuir efetivamente para termos uma saúde melhor no nosso país. E ser uma palestrante que inspira as pessoas a alcançarem seus objetivos e serem efetivamente a mudança positiva que querem para o mundo.

6. Qual sua maior conquista? Acredito muito que os desafios nos ensinam e nos fortalecem. Nesse ano em que vivenciei os maiores desafios profissionais, também tive minhas maiores conquistas: fui eleita como Linkedin Top Voice Saúde, palestrei no meu primeiro congresso e iniciei minha carreira empreendedora fazendo o que amo.

7. Livro, filme e mulher que admira. Nossa, são tantos que fica difícil escolher, mas vou listar 3 livros que marcaram minha vida pelos seus ensinamentos e insights: “Por que fazemos o que fazemos – Mário Sérgio Cortella”, “O Pequeno príncipe – Antoine de Saint-Exupéry” e ” A última grande lição – Mich Albom”. Adoro assistir filmes e séries, principalmente os intrigantes, que te fazem pensar, com reviravoltas. Também gosto de filmes emocionantes e de desenho que tenham mensagens poderosas difundidas de forma sutil. Tenho muitas mulheres que admiro e vou citar algumas, a começar pela minha mãe, que infelizmente já se foi, mas foi um exemplo maravilhoso e que me ensinou tanto em tão pouco tempo. Profissionalmente, minha professora mais incrível, Meire Chucre e algumas profissionais de diversas áreas que conheci virtualmente: Flávia Gamonar, Érika Belmonte, Geisa Luz, Tathi Deandhela e Liz Valz, mulheres e profissionais incríveis, determinadas e dedicadas. São verdadeiras inspirações.