Há 20 anos no mundo corporativo, Claudia Soneh quer inspirar mulheres a se encontrarem profissionalmente

Engenheira civil trabalha na ExxonMobil Brasil, empresa onde começou como estagiária, e afirma que já precisou se reinventar, mudar de área e voltar a estudar

  • Por Fabi Saad
  • 09/06/2021 10h00
DivulgaçãoClaudia Soneh Cansian é engenheira, esposa, mãe e está no mundo corporativo há mais de 20 anos

Nossa Mulher Positiva desta semana é Claudia Soneh Cansian, que é engenheira, esposa, mãe e está no mundo corporativo há mais de 20 anos. Ela nos conta sua trajetória profissional e os desafios de compartilhar carreira e vida pessoal. Resiliência, determinação e foco sempre foram seu norte, além de uma rede de apoio fundamental para suas conquistas. Claudia trabalha há duas décadas na ExxonMobil Brasil, empresa onde começou como estagiária, e afirma que já precisou se reinventar, mudar de área e setor, e voltar a estudar e aprender. “Meu maior sonho é saber que inspirei outras mulheres a se encontrarem profissionalmente e seguirem os seus sonhos. E claro, ver meus filhos traçando suas vidas e estar por aqui pra vibrar e aplaudir suas conquistas”, diz.

1. Como começou a sua carreira? Comecei muito cedo aos 16 anos. Sempre fui curiosa e tive vontade de ter minha independência. Durante a faculdade de engenharia civil, fiz vários estágios e tive a oportunidade de participar de um programa junto a Disney World em Orlando por três meses, o que certamente mudou minha visão do que eu queria para minha carreira e futuro. No último ano de faculdade, fiz estágio na empresa que na época era a Esso Brasileira de Petróleo (atual ExxonMobil Brasil) e em 2001 fui efetivada lá, onde sigo até hoje, após 20 anos de muitas experiências, vivências, frustrações, aprendizados e conquistas.

2. Como é formatado o modelo de negócios do ExxonMobil? ExxonMobil é uma das grandes empresas do setor de Oil & Gas & Energy, com 70 mil empregados em todo o mundo. Uma empresa sólida, muito tradicional e que por muitos anos teve sua hegemonia e vem buscando se reinventar no setor de energia.

3. Qual foi o momento mais difícil da sua carreira? Tive alguns momentos difíceis, em que tive que fazer escolhas, mudar de área e setor, me reinventar, voltar a estudar e aprender. Mas sem dúvida o nascimento dos meus filhos foi um período tumultuado para minha carreira, pois tive duas gestações de risco onde fiz repouso absoluto por meses e logo após, quando eles ainda eram bebês, voltei a viajar para o exterior. Precisei de muito apoio emocional e suporte em casa para conseguir seguir adiante. Negociei com minha gerência na época a duração de cada viagem, o que me ajudou a voltar pra casa entre uma ou duas semanas no máximo. Deu tudo certo, mas lembro de fazer meu filho pequeno dormir pelo celular.

4. Como você consegue equilibrar sua vida pessoal x vida corporativa/empreendedora? Honestamente, não sei se tenho uma receita. Hoje, com mais maturidade, aprendi que alguns momentos em família são fundamentais e bloqueio minha agenda para estar dedicada a eles (depois volto ao trabalho). Não é fácil, até porque meu marido é empresário de sucesso e tem sua carreira sólida, o que também demanda muito. Acho que tentamos nos dividir para atender as necessidades de nossos dois filhos e da casa, assim somando esforços e ajudando um ao outro. Tenho também minha network de amigas e mentoras, sem elas não conseguiria sem dúvida nenhuma.

5. Qual seu maior sonho? Meu maior sonho é saber que inspirei outras mulheres a se encontrarem profissionalmente e seguirem os seus sonhos. E claro, ver meus filhos traçando suas vidas e estar por aqui pra vibrar e aplaudir suas conquistas.

6. Qual sua maior conquista? Minha família e a pessoa que me tornei, sem dúvida nenhuma. Me considero uma mulher realizada. Conquistei quase tudo que desejei, com muito esforço e determinação. Profissionalmente, sigo me questionando e me aprimorando, em busca do meu propósito e do próximo desafio.

7. Mulher que admira. Michelle Obama, Sheryl Sandberg e Margareth Dalcolmo.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.