Josias: Witzel está mais próximo do presídio do que de uma candidatura presidencial

Comentarista da Jovem Pan analisa afastamento de Witzel do governo do Rio de Janeiro

  • Por Jovem Pan
  • 28/08/2020 08h12
Guilherme Rodrigues/Estadão ConteúdoWilson Witzel foi afastado do cargo de governador nesta sexta-feira

Até bem pouco tempo atrás, o ex-juiz Wilson Witzel guerreava com Jair Bolsonaro e imaginava que o destino lhe reservava uma candidatura à presidência da República. Hoje, às voltas com um inquérito de corrupção que inclui até a sua mulher, afastado judicialmente do cargo de governador do RJ pelo STJ, Witzel está mais próximo do presídio do que de uma candidatura presidencial. De duas uma: ou o eleitor fluminense tem o dedo podre ou o RJ foi condenado pelos deuses da roubalheira a amargar uma urucubaca perpétua. Dos quatro antecessores de Witzel, três passaram pela cadeia: Garotinho, Rosinha e Pezão. E o outro, Sérgio Cabral, continua em cana. Não há mais pecados originais neste Rio capturado por uma organização criminosa, o que há são novas erupções de velhos esquemas. Estabeleceu-se no estado uma rotina de trem-fantasma; nela, um espanto se esvazia quando é substituído pelo assombro seguinte.