Mercado de trabalho na agropecuária cresce 1,3% em um ano

Recuperação de emprego no Brasil está ocorrendo desde o segundo semestre de 2021

  • Por Kellen Severo
  • 01/07/2022 10h00 - Atualizado em 01/07/2022 10h39
Arquivo/Agência Brasil Pessoa assinando carteira de trabalho População ocupada na Pnad envolve desde o empregado assalariado, que pode ter carteira assinada ou não, até o produtor rural empregador

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta semana mostrou que entre março e maio deste ano, 8,7 milhões de pessoas estavam ocupadas na agropecuária do Brasil. O resultado revela aumento de 1,3% em relação ao mesmo trimestre móvel de 2021, ou seja, houve um aumento de 111 mil pessoas no mercado de trabalho do setor na comparação anual.

Segundo pesquisadores, a população ocupada na Pnad envolve desde o empregado assalariado, que pode ter carteira assinada ou não, até o produtor rural empregador. O IBGE aponta que o movimento de recuperação no mercado de trabalho não tem ocorrido simultaneamente em todas as atividades. Na agropecuária, o maior patamar pós-pandemia aconteceu ainda em 2021, com 9 milhões de ocupados. Segundo a pesquisadora do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Nicole Rennó, a recuperação no agro começou antes do que nos demais setores.

A recuperação do mercado de trabalho do Brasil está ocorrendo desde o segundo semestre do ano passado. A taxa de desemprego recuou de 10,5% no trimestre terminado em abril para 9,8% no trimestre encerrado em maio. O resultado é o mais baixo para o período desde 2015. O processo é uma retomada que segue em curso com melhora no quadro sanitário de pós Covid-19 no Brasil e reativação de diferentes postos de trabalho.

*Esse texto não reflete, necessariamente, a opinião da Jovem Pan.