Suspeita de vaca louca derruba preço do boi gordo na Bolsa de Valores

É preciso comunicar com transparência o que está em investigação para diminuir tensões desnecessárias e não impactar um dos mais pujantes setores da economia brasileira

  • Por Kellen Severo
  • 03/09/2021 09h00 - Atualizado em 03/09/2021 09h10
Maurício Camargo/Eleven/Estadão Conteúdo - 04/07/2020Suspeita de um caso de vaca louca em Belo Horizonte paralisou o comércio internacional de boi gordo na Bolsa de Valores

A suspeita de um caso de vaca louca em um animal localizado em Minas Gerais impactou o mercado pecuário no Brasil nesta semana, e os contratos de boi gordo negociados na Bolsa recuaram mais de 5%. O mal da vaca louca é uma doença que ataca o sistema nervoso central de animais, que passam a agir como se estivessem enlouquecidos, o que explica o nome popular. O caso está em apuração. Foram pedidos uma série de exames e de contraprovas em laboratórios internacionais. De acordo com o Ministério da Agricultura, o Brasil adota procedimentos de vigilância, investigação e notificações recomendados pela Organização Mundial de Saúde Animal. Segundo a pasta, casos em investigação são corriqueiros dentro dos procedimentos de vigilância estabelecidos, e medidas preventivas são adotadas imediatamente para garantir o controle sanitário. Uma vez concluído o processo de investigação, os resultados serão informados.

Em casos atípicos, a enfermidade é desenvolvida de forma espontânea no organismo do animal, geralmente mais velho. Os riscos para suspensão de exportações de carne bovina brasileira tendem a ser menores nesse contexto. No caso clássico da doença, o animal contaminado adoece por fatores externos, como a ingestão da ração contaminada. Nessas condições, o potencial de impacto na comercialização é maior, destaca Lygia Pimentel, CEO da Agrifatto, uma casa de análises de investimento em ativos agropecuários. “Se [o caso] for típico, é muito grave. A gente ainda não sabe como prever reações porque ainda não vivemos esse tipo de cenário. Tomando como base o mercado internacional, acaba ocorrendo um bloqueio geral por um bom tempo, até baixar o risco da doença”, explica Lygia.

De acordo com a Agrifatto, frigoríficos já cancelaram embarques de carnes para o exterior diante dos rumores de uma investigação por aqui. Todo esse contexto de especulação sobre a suspeita de um caso de vaca louca no Brasil pode fazer o preço da carne cair. “Ninguém sabe até aonde podem ir. O mercado tende a exagerar, sim, mas, onde está o exagero, fica difícil de identificar. Lembrando que isso vem em um momento em que a gente registrou o melhor agosto da história para exportações de carne bovina. Também vem em um momento delicado para o mercado.”

A pecuária brasileira tem uma estrutura sólida de prevenção e controle de doenças que possam gerar riscos à saúde do consumidor. A sanidade dos nossos produtos é reconhecida internacionalmente e, por isso, também novos mercados consumidores se abrem para a proteína animal aqui produzida. É preciso comunicar com transparência o que está em investigação para diminuir rumores e tensões desnecessários nesse momento delicado, que pode impactar um dos mais pujantes setores da economia brasileira.